Mormo: Conselho Regional de Medicina Veterinária do RS recomenda cumprimento de exigências | Agrocampo | Notícias do campo, agricultura, agronegócio, tecnologias, cadeias produtivas, produção agrícola e o fortalecimento do setor no mercado

Mormo: Conselho Regional de Medicina Veterinária do RS recomenda cumprimento de exigências

Mormo: Conselho Regional de Medicina Veterinária do RS recomenda cumprimento de exigências

cavaloO Conselho Regional de Medicina Veterinária do Rio Grande do Sul divulga, nesta segunda-feira (17.08), uma Nota Técnica esclarecendo médicos veterinários sobre os corretos procedimentos a respeito da ocorrência de mormo no estado. O documento, elaborado pela Comissão de Saúde Pública do CRMV-RS, tem como objetivo principal reforçar a necessidade de enfrentamento do tema com foco no ponto de vista técnico.

O presidente da entidade, Rodrigo Lorenzoni, afirma que “quando o tema é saúde pública e sanidade animal não pode haver negociação nem flexibilização de regras, as medidas devem ser cumpridas na íntegra sob pena de graves consequências.” O mormo é uma doença que pode ser transmitida a diversas espécies, inclusive ao homem. Entre os animais, não há tratamento registrado no Brasil e a recomendação é o sacrifício. Por isso, “medidas preventivas e controle rigoroso de trânsito são fundamentais”, garante Rodrigo.

Desde a confirmação da ocorrência da enfermidade no Rio Grande do Sul, profissionais ligados ao CRMV-RS vêm participando dos debates em torno do tema e reafirmando o apoio às recomendações da Secretaria da Agricultura. Para o presidente do CRMV-RS, a exigência do exame para todos os animais que participam de eventos equestres é uma medida que não pode ser questionada. “Defendemos a responsabilidade compartilhada, cada um fazendo a sua parte, para que o controle seja efetivo e o estado possa voltar a ser área livre da doença”, conclui.

Veja abaixo, na íntegra, o texto da nota técnica:

NOTA TÉCNICA SOBRE O MORMO NO RS

A presente nota técnica tem o objetivo de informar sobre os casos de Mormo no RS. A importância para a saúde pública deve-se ao fato de ser uma zoonose. Assim, todos os cuidados e medidas de prevenção devem ser empregados a fim de se evitar a disseminação da doença pelo Estado.

Registrado pela primeira vez no Rio Grande do Sul, no município de Rolante, o Mormo é uma doença infecciosa que acomete, principalmente, os equinos. É uma enfermidade causada pela bactéria Burkholderia mallei e se manifesta por um corrimento viscoso nas narinas, com a presença de nódulos nas mucosas nasais, nos pulmões, nos gânglios linfáticos, catarro e pneumonia. A forma aguda é caracterizada por febre, fraqueza, secreção amarelada, que pode se tornar sanguinolenta, e dispneia. Não tem tratamento e o animal é sacrificado.

O mormo é transmitido pelo contato com o material infectante, seja diretamente com secreções do doente ou indiretamente por meio de fômites, bebedouros, comedouros e equipamentos contaminados. Pode ser transmitida aos homens e a outros animais. Os principais hospedeiros são os equinos, muares e asininos. Já foi relatada em cães, gatos, ovinos, caprinos e camelos. Bovinos, suínos e aves são resistentes.  Em animais pode se manifestar logo após a infecção ou tornar-se latente. Em humanos o período de incubação varia de poucos dias a meses, sendo usualmente de 1-14 dias.

O ser humano normalmente se infecta pelo contato com animais doentes, fômites contaminados, tecidos ou culturas bacterianas em laboratórios. Pode ser considerada uma doença ocupacional, visto acometer, principalmente, trabalhadores, tratadores, médicos veterinários, trabalhadores de frigoríficos, pesquisadores e laboratoristas. Porém, também pode acometer proprietários de animais e outras pessoas. A transmissão ocorre por meio de feridas e abrasões na pele. O indivíduo apresenta-se febril, com pústulas cutâneas, edema de septo nasal, pneumonia e abscessos em diversas partes do corpo. É uma zoonose de difícil tratamento, sendo, quase sempre, fatal.

A bactéria é rapidamente inativada pelo calor, raios solares diretos e é sensível aos desinfetantes comuns como hipoclorito de sódio. Porém, sua sobrevivência pode ser prolongada em ambientes molhados e úmidos. A doença não tem vacina e nem tratamento. Animais positivos são sacrificados. Uma das formas de prevenção é evitar o contato com outros animais doentes, mantendo os exames sempre em dia e evitando locais de aglomerações de animais onde não haja fiscalização e controle nas áreas de risco.

Diante de suspeita de caso de mormo, deve-se notificar imediatamente à Defesa Sanitária do Estado. Além de medidas como o isolamento da área e dos animais suspeitos, deve ser feito o sacrifício dos positivos, cremação dos cadáveres no próprio local e desinfecção de todo o material que esteve em contato, desinfecção rigorosa dos alojamentos e bloqueio e suspensão do trânsito de animais na propriedade. Animais suscetíveis, quando possível, devem ser mantidos distantes das áreas de foco. Nessas áreas, o local de criação e as instalações devem ser submetidos à quarentena, com limpeza e aplicação de desinfetantes eficazes contra o agente. Todas as normas para o controle e erradicação do Mormo são descritos na Instrução Normativa nº 24, de 05 de agosto de 2004, do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

Após a confirmação do primeiro caso de Mormo no RS, a Secretaria de Agricultura do Estado vem adotando todas as medidas possíveis, em parcerias com outras instituições, a fim de evitar a propagação dessa doença.  Há outros casos suspeitos em análise no Rio Grande do Sul. Por isso, para o trânsito de animais e emissão das Guias de Trânsito Animal (GTA) estão sendo exigidos exames negativos para o Mormo. Eventos com aglomerações de animais também serão focos de fiscalização do Estado.

O exame para identificação de animais positivos ou negativos para a doença é uma medida importante a fim de se evitar que a doença se espalhe pelo Estado, através do não contato entre animais portadores e animais sadios. O exame deve ser feito por médicos veterinários credenciados e em laboratórios habilitados. Apresenta validade de 60 dias e tem sido exigência para o trânsito de animais no Estado. Maiores informações sobre a doença, o exame, validade, e GTA podem ser encontradas na página da internet da Secretaria da Agricultura e Pecuária do Rio Grande do Sul.

É de extrema importância a união de todas as entidades de interesse na área para evitar a disseminação dessa doença no Estado e os prejuízos dela advindos. Para a sua segurança, a segurança do seu animal e a segurança da população, transite pelo Estado com animais com GTA e de posse de exames negativos para o Mormo e para as demais doenças exigidas na legislação.

O Conselho Regional de Medicina Veterinária do Rio Grande do Sul (CRMV-RS) apoia todas as medidas de controle e prevenção que estão sendo tomadas frente aos casos de Mormo, destacando a importância e a necessidade da realização dos exames para a doença. Por fim, solicita o empenho de todos os profissionais da categoria para colaboração no enfrentamento desta grave zoonose, evitando a disseminação desta doença pelo Estado.

← Soja volta a recuar em Chicago pressionado pelo desenvolvimento da safra dos EUA - Análise Notícias Agrícolas Soja inicia semana com leves altas em Chicago →

Deixe seu comentário aqui