Cenários 2016-2026 para o Agronegócio. O mundo veio convidar o Brasil para crescer. Vamos aceitar o convite?

Cenários 2016-2026 para o Agronegócio. O mundo veio convidar o Brasil para crescer. Vamos aceitar o convite?

Nos últimos 20 anos a área plantada brasileira cresceu 39%, enquanto a produtividade, por sua vez, cresceu 141%. Saímos da condição de importador de alimentos e estamos caminhando para ser um dos maiores, se não o maior, exportador mundial. O que isso muda e o que ainda precisa ser mudado?

A primeira mudança, sem dúvida, foi na forma de se fazer e de se perceber a agricultura. Antigamente as atividades agrícolas basicamente poderiam ser feitas por qualquer um. Hoje em dia, planejar e executar uma lavoura ou um ciclo pecuário, com uma infinidade de decisões que precisam ser tomadas, tornou a atividade agropecuária tão desafiadora do ponto de vista intelectual do que as atividades industriais.

Esse papel que o Agronegócio assume perante a economia brasileira, como um setor protagonista em relação ao crescimento interno e, de forma mais ampla, promovendo o Brasil à condição de importante fornecedor no mercado mundial de alimentos faz com que passemos a estudar os cenários e perspectivas com muito mais rigor, preocupação e senso de responsabilidade, uma vez que os números, as expectativas e o dinheiro envolvido tomam proporções muito grandes. Diante dessas mudanças a Farsul elaborou o mais completo estudo feito no Brasil sobre as projeções do consumo e produção, por continente, do arroz, milho, soja, trigo, carne bovina e leite para os próximos 10 anos, essas mesmas projeções para Brasil foram feitas para o Rio Grande do Sul e estão disponíveis no site da entidade.

Os dados não deixam dúvidas: há uma grande janela de oportunidades para o Agronegócio brasileiro. O mundo expandirá o consumo de grãos em 441 milhões de toneladas nos próximos 10 anos, 7,4 milhões de toneladas de carne bovina e 38 milhões de toneladas de leite fluído. Ainda que sejam crescimentos menores do que nos últimos 10 anos, trata-se, sem dúvida, de um grande desafio. Desse total 16% poderá ser fornecido pelo Brasil, o que aumentaria nossa safra para quase 270 milhões de toneladas e a gaúcha para 42. Embora o consumo interno deva crescer, a demanda externa deverá crescer muito mais devido ao baixo ritmo de nossa economia frente ao que ocorre no mundo, em especial na Ásia e na África.

Por falar neles, a maior parte do crescimento ocorrerá na Ásia. Isso significa que a demanda cresce para os pontos mais distantes do Brasil no globo e não há absolutamente nada que possamos fazer para encurtar a distância, entretanto, podemos e devemos encurtar o tempo e o custo de transportar até lá se quisermos realmente transformar o cenário em riquezas e crescimento econômico para o país. Maior que o desafio de produzir mais é o de instalar no Brasil um sistema tributário voltado à competitividade e um sistema logístico barato e rápido, tendo em vista que não concluiremos as obras para Copa do Brasil até a Copa da Rússia.

Por fim a janela de oportunidades para o país é grande, a agenda do que fazer é longa, o tempo é curto e o cavalo não fica passando encilhado.

Antônio da Luz
Economista-chefe do Sistema Farsul

← Bayer, Santander, Unilever e Yara se unem para estimular a sustentabilidade na cadeia da soja Ciclo de Desenvolvimento Agrícola aborda tratamento biológico de solo →

Deixe seu comentário aqui