Cerrado brasileiro e a expansão da área e da produção de grãos

Cerrado brasileiro e a expansão da área e da produção de grãos
Cerrado brasileiro e a expansão da área e da produção de grãos

Carlos Cogo – Consultor em Agronegócios

A área de cultivo de grãos no Cerrado cresceu 134% entre as safras 1989/1990 e 2015/2016, de 14,2 milhões de hectares, para os atuais 33,3 milhões de hectares.

A participação do Cerrado na área de cultivo de grãos no Brasil, neste mesmo período, saltou de 37% para 57%. Nas demais regiões produtoras de grãos fora do Bioma Cerrado, a área de cultivo de grãos não apresentou crescimento entre as safras 1989/1990 e 2015/2016, permanecendo em 24,7 milhões de hectares. A produção de grãos no Cerrado cresceu 543% entre as safras 1989/1990 e 2015/2016, de 17,5 milhões de toneladas, para as atuais 112,7 milhões de toneladas (mesmo com as quebras na última safra). Com isso, a participação do Cerrado na produção brasileira de grãos no Brasil, neste mesmo período, saltou de 30% para 56%. Nas demais regiões produtoras de grãos fora do Bioma Cerrado, a produção de grãos entre as safras 1989/1990 e 2015/2016 registrou expansão de 120%, de 40,7 milhões de toneladas, para as atuais 89,7 milhões de toneladas – apoiada apenas na expansão da produtividade.

Dentro do Bioma Cerrado, a região do Matopiba – formada pela confluência do sul do Maranhão, norte de Tocantins, sul do Piauí e oeste da Bahia – já responde por 9% da produção brasileira de grãos. A região abrange 337 municípios com 324 mil estabelecimentos agrícolas e é formada por partes dos estados do Maranhão (33%), Tocantins (38%), Piauí (11%) e da Bahia (18%). Mais nova fronteira agrícola do país, o Matopiba se consolida como uma região estratégica para atender aos mercados interno e externo, com a proximidade de importantes portos do Norte, como os de Belém, Itaqui, Pecém e Suape. Na safra 2014/2015, o Matopiba produziu 19,6 milhões de toneladas de grãos, em uma área de 7,5 milhões de hectares. Há um potencial de crescimento continuado da área plantada em médio e longo prazo e o Matopiba tem chamado a atenção pela produção e produtividade crescentes – a produtividade média saltou 352% entre 1989/1990 e 2014/2015, contra 140% da média nacional.

O bioma Cerrado tem 204 milhões de hectares, dos quais 103 milhões de hectares (50,5%) são cobertos com vegetação nativa. O estoque de terras com alta aptidão para a expansão da produção de grãos e outros alimentos no Cerrado é de 25,36 milhões de hectares. Essas áreas, cujas características originais de solo, vegetação, relevo e regime hídrico foram alteradas em consequência de atividade humana, correspondem a 22,5 milhões de hectares nos estados de Mato Grosso, Minas Gerais, Goiás, Mato Grosso do Sul, São Paulo, Paraná e Rondônia, ou seja, fora da região conhecida como MATOPIBA (Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia). Estudo “Análise geoespacial da dinâmica das culturas anuais no bioma Cerrado”, elaborado pela empresa Agrosatélite com o patrocínio da Gordon and Betty Moore Foundation, dos Estados Unidos, analisou 2.500 imagens de satélites com o escopo de identificar e mapear as mudanças de uso e cobertura da terra causadas pela expansão do cultivo de soja, milho e algodão, entre 2000 e 2014, com informações relevantes para o desenvolvimento sustentável da região.

Os 25,36 milhões de hectares de áreas com alta aptidão para expansão da produção agrícola, hoje ocupados principalmente com pastagens, cana e eucalipto, não têm restrições de declividade e altitude. Entre 2000 e 2014, mais de 5,6 milhões de hectares de pastagens foram convertidas em culturas anuais, com forte destaque para a soja. O estudo destaca que a área antropizada com alta aptidão para grãos no bioma Cerrado é muito relevante no processo de expansão sustentável da agricultura brasileira, visto que o bioma Mata Atlântica já tem seu potencial de expansão quase esgotado e no bioma Amazônia existem restrições para expansão da agricultura por conta da Moratória da Soja e de outras medidas de contenção do desmatamento. De acordo com o estudo, dá para mais do que dobrar a produção de soja no Cerrado, considerando que esse grão pode ocupar áreas hoje plantadas com pastagens, cana ou eucalipto. A investigação revela, entre outros resultados, que a soja ocupa menos de 8% da área do Cerrado e que esse bioma foi responsável por 51,9% (16,2 milhões de hectares) da área de soja cultivada em 2015/2016.

As projeções para a próxima década – temporadas 2015/2016 a 2025/2026 – indicam expansão de 40% na área de cultivo de grãos no Cerrado, de 33,4 milhões de hectares, para 46,6 milhões de hectares. A participação do Cerrado na área de cultivo de grãos no Brasil, neste mesmo período, deve saltar de 57% para 64%. Nas demais regiões produtoras de grãos fora do Bioma Cerrado, a área de cultivo de grãos deve crescer moderadamente (+5%), de 24,7 milhões de hectares, para 26,1 milhões de hectares. A produção de grãos no Cerrado deve crescer 84% entre as safras 2016/2017 e 2025/2026, de 112,7 milhões de toneladas, para 207,3 milhões de toneladas. Nas demais regiões produtoras de grãos fora do Bioma Cerrado, a produção de grãos neste mesmo período deve se expandir em 23%, de 89,7 milhões de toneladas, para 110,4 milhões de toneladas – apoiada principalmente na expansão da produtividade. Com isso, a participação do Cerrado na produção brasileira de grãos no Brasil, na próxima década, deve saltar de 56% para 65%.

Carlos Cogo – Consultor em Agronegócios – Sócio-Diretor de Consultoria
consultoria@carloscogo.com.br – www.carloscogo.com.br

 

← SOJA: mercado é altista para a safra 2016/2017 Os Planos de Safra precisam acabar - Por Carlos Cogo →

Deixe seu comentário aqui