Chineses compram Dow Sementes | Agrocampo | Notícias do campo, agricultura, agronegócio, tecnologias, cadeias produtivas, produção agrícola e o fortalecimento do setor no mercado

Chineses compram Dow Sementes

Chineses compram Dow Sementes

A DowAgroSciences Sementes e Biotecnologia Brasil confirmou em evento na semana passada a conclusão da venda de sua operação de sementes de milho para o conglomerado chinês Citic Agri Fund Management através da subsidiária Yuan LongPing High-tech Agriculture.

A transação levou cinco meses e o valor acordado foi de US$ 1,2 bilhão. A subsidiária lidera o mercado de sementes na China e mundialmente no caso do arroz híbrido.

No acordo, a Yuan LongPing High-tech Agriculture fica com acesso total ao banco de germoplasma de milho brasileiro e com a marca Morgan. A empresa também ficará com o direito de uso da marca Dow Sementes por 12 meses e vai manter a operação em Ribeirão Preto com sede em São Paulo capital.
A nova empresa se chamará LP Sementes e conta com a herança de 20% do mercado nacional de milho da Dow. Os chineses têm intenção de aumentar o market share.
A transação é resultado de uma determinação do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) depois da fusão entre Dow e DuPont.
No evento de divulgação da venda, os executivos do grupo chinês anteciparam que devem manter os funcionários da empresa comprada. Zang Xiukuan, presidente-executivo da LongPing, considera os quadros da companhia de excelência.

O gerente-geral da empresa, Vitor Cunha, manterá o mesmo cargo na LP Sementes. Para Cunha, o negócio é uma oportunidade para diminuir as distâncias entre Brasil e China.

Além disso, ele acredita que a Dow teve um papel importante na expansão da safrinha no Brasil. “Hoje, a safrinha virou safrona, tem quase 11 milhões de hectares, com produtividade de 120, 130 sacos por hectare”, resumiu o executivo.

LEIA AINDA: NOVA GERAÇÃO DE FERTILIZANTES

Cunha também informou que as operações da Dow Sementes no Paraguai e Argentina serão reforçados e haverá o lançamento de novos híbridos.

Por: AGROLINK –Leonardo Gottems

← Mercado de olho nas notícias de clima na Argentina Brasil atende Argentina e desiste de trigo de fora do Mercosul →

Deixe seu comentário aqui