Compactação: desafio às altas produtividades

Compactação: desafio às altas produtividades

O solo, componente fundamental do ecossistema terrestre, é o principal substrato utilizado pelas plantas para o seu desenvolvimento, pois fornece às raízes suporte de água, oxigênio e nutrientes. E, justo por ser a base da produção agropecuária, seu manejo adequado é de vital importância. O uso inadequado tem proporcionado inúmeros problemas, dentre os quais a compactação do solo, que tem gerado perdas em produtividade.

A compactação é uma das maiores causas da degradação física de solos agrícolas, trazendo consequências sobre o desenvolvimento das plantas. Ela ocorre principalmente devido ao tráfego intenso, máquinas e implementos cada vez maiores e mais pesados, pisoteio animal e práticas agrícolas sem considerar a umidade do solo no momento do tráfego. A compactação, ainda, aumenta a densidade do solo, diminui a aeração, impede que as raízes explorem regiões mais profundas, diminui a infiltração de água e a disponibilidade desta para as plantas e torna o solo mais vulnerável a erosão.

O sistema plantio direto (SPD) consiste de um sistema de manejo com mínimo revolvimento do solo, mantendo a cobertura permanente com a prática de rotação de culturas, o que favorece o acúmulo de material orgânico pela menor taxa de decomposição e menores perdas por erosão. O não revolvimento e o acúmulo de matéria orgânica provocam alterações nos atributos físico-hídricos do solo que podem lhe ser benéficos. No entanto, diversos trabalhos científicos tem demostrado aumento da compactação submetidos a SPD, sendo esta um dos fatores mais limitantes a altas produtividades nestas lavouras.

>>Leia também: Biológicos:alternativa eficaz para o combate de nematoides

Muitas práticas inadequadas de manejo vêm sendo adotadas em solos sob SPD, como incipiente rotação de culturas, insuficiente cobertura de solo, manejo inadequado do sistema integração lavoura-pecuária, uso de máquinas cada vez maiores, operações sem considerar a umidade adequada do solo, ausência de práticas mecânicas para manejo de enxurrada, abandono da semeadura em contorno, entre outros. Tais práticas ocasionam problemas, como: o aumento da densidade e da resistência do solo à penetração; redução da porosidade e da taxa de infiltração de água; deformação morfológica de raízes e concentração de raízes na camada superficial do solo; ocorrência de erosão, com arraste de nutrientes, fertilizantes e corretivos pela enxurrada; e a prematura expressão de um ocasional déficit hídrico, já que geralmente reduz a quantidade de água disponível para as plantas e dificulta o aproveitamento de água pelas raízes.

Uma descompactação mecânica esporádica pode ser uma alternativa para mitigação da compactação. Mas para que seu efeito não seja efêmero, uma grande quantidade de palha e, especialmente, de raízes deve ser adicionado ao solo. Proporcionando assim uma melhoria com potencial manutenção da qualidade física do solo, sendo capaz de manter e até aumentar a produção agrícola.

Djulia Taís Broch
Eng. Agr. M.Sc., Doutoranda em agronomia área de concentração solos pelo PPGAgro UPF

← Bom plantio e estabelecimento de um ótimo stand de plantas para a safra 2016/2017 Finalizando a colheita das culturas de inverno →

Deixe seu comentário aqui