Demanda por alimentação saudável impulsiona uso de alternativas naturais na produção de hortifruti

Demanda por alimentação saudável impulsiona uso de alternativas naturais na produção de hortifruti

cenoura demanda por alimentos saudáveisO setor de produtos saudáveis tem conquistado cada vez mais adeptos entre os brasileiros. Nos últimos cinco anos, a comercialização de alimentos e bebidas naturais, orgânicas, diet, light, sem glúten e sem lactose aumentou 98% no país, segundo relatório da Euromonitor. Já o estudo Brasil Food Trends 2020 aponta que critérios como confiabilidade, qualidade, bem-estar e sustentabilidade são fortes pilares que orientam as escolhas dos consumidores.

De acordo com o consultor Hélio Nishimura, especializado em frutas, verduras e legumes (FLV), as tendências também são impactadas por mudanças na legislação. Em 2009, por exemplo, foi criado o Plano Nacional de Controle de Resíduos e Contaminantes em Produtos de Origem Vegetal (PNCRC/Vegetal), a fim de monitorar e fiscalizar os níveis de agrotóxicos e contaminantes nos alimentos.

Para acompanhar a demanda, produtores de hortifruti têm utilizado opções biológicas que equilibram o solo e protegem as plantas, refletindo na qualidade dos alimentos. “Os manejos alternativos estão conquistando espaço no portfolio de soluções que o agricultor aplica. O grande passo é se conscientizar de que a seleção de insumos adequados resultará em uma produção mais sadia e segura para o consumidor final”, observa Nishimura.

Alternativas naturais
Na avaliação do engenheiro agrônomo Márcio Ferreira, gerente de hortifruti da Alltech Crop Science, como o solo é a base da saúde das plantas, a utilização de químicos faz com que a flora benéfica seja destruída e a população de fitopatógenos aumente. “Por isso, para proteger os cultivos, os produtores estão apostando em alternativas naturais com alta eficiência agronômica sem agredir o meio ambiente e o homem”.

Essa também é uma das prioridades do comércio varejista ao definir fornecedores, como explica o analista de negócios Luiz de Souza, representante de uma das principais redes de supermercados do Paraná e de Santa Catarina. “No processo de escolha, realizamos uma visita técnica à propriedade para avaliar se ela atende aos nossos requisitos. Sempre preferimos as fazendas sustentáveis, que atendem a critérios sociais e ambientais específicos”.

Segundo Souza, os produtores que não estiverem atentos às normas perderão espaço, já que esse é o futuro do consumo de alimentos. “Nossa principal exigência é com relação à qualidade, observando aspectos visuais e de sabor. Além disso, prezamos por questões como a rastreabilidade, que assegura a origem dos produtos; e os níveis de resíduos químicos. Os orgânicos também são outro nicho procurado pelos clientes”.

De olho nas exigências
Para se alinhar aos padrões exigidos pelo mercado consumidor, produtores e supermercadistas poderão participar do Sakata Win Day 2015, organizado pela empresa de sementes Sakata. O evento acontece de 4 a 7 de agosto, em Bragança Paulista (SP), das 14h às 17h. O objetivo é atingir a cadeia produtiva focada em culturas de inverno, como alface, brócolis, beterraba, cenoura e espinafre.

Entre os expositores está a Alltech Crop Science, especializada em nutrição vegetal que apresentará fertilizantes foliares desenvolvidos a partir da fermentação de leveduras derivadas da cana-de-açúcar. “As alternativas biológicas atendem às necessidades da planta e garantem segurança alimentar ao cliente final. Na linha de proteção, inclusive, contamos com produtos certificadas para a produção orgânica”, comenta Ferreira.

 

← Soja: Em Chicago, mercado inicia sessão desta 6ª feira em campo positivo. Análise Notícias Agrícolas Da LP à LO →

Deixe seu comentário aqui