Veja 4 dicas de aplicação de fungicidas | Agrocampo | Notícias do campo, agricultura, agronegócio, tecnologias, cadeias produtivas, produção agrícola e o fortalecimento do setor no mercado

Veja 4 dicas de aplicação de fungicidas

Veja 4 dicas de aplicação de fungicidas

No cenário atual de controle de doenças nas lavouras com sustentabilidade, a adoção do uso de fungicidas multissítio têm ajudado a garantir eficiência ao manejo de resistência na soja e no milho.

“Os multissítios são moléculas fungicidas que agem em diversos pontos do metabolismo do fungo simultaneamente, diferente dos triazois, estrobilurinas e carboxamidas, que são ferramentas muito importantes no controle da ferrugem, mas hoje necessitam que estejam associadas de um fungicida multissítio”, explica Sergio Decaro, agrônomo de Tecnologia de Aplicação da UPL.

O especialista destaca que as misturas se apresentam como “novas soluções” para serem aplicadas: “As aplicações combinadas de produtos sítio-específico e multissítio estão cada vez mais frequentes e necessárias. Para que o multissítio proporcione controle satisfatório e manejo de resistência, deve-se utilizar doses de, pelo menos, mil gramas de ingrediente ativo por hectare”.

Nesse sentido, a “Tecnologia de Aplicação” fica cada vez mais importante, pois os fungicidas são majoritariamente insolúveis em água e pouco solúveis em solventes orgânicos.

Não é diferente para os multissítios, que no preparo da calda exigem os mesmos cuidados e boas práticas. Saber como criar a calda correta e de que forma a aplicação poderia favorecer o produtor são assuntos de extrema importância para o produtor.

“Erroneamente se pensa que numa formulação líquida, como SC (suspensão concentrada), haveria maior solubilidade de um fungicida, em detrimento do mesmo ingrediente ativo formulado em pó-molhável (WP) ou em grânulos dispersáveis em água (WG)”, afirma o agrônomo de Tecnologia de Aplicação.

Uma vez no tanque do pulverizador, todos os cuidados para WG e WP devem ser tomados para formulações líquidas de ingredientes ativos insolúveis.

Afinal a decantação de produto pode levar a uma super dosagem no início da aplicação, com possibilidade de fitointoxicação, e a uma sub dosagem ao longo do trajeto do pulverizador. “O que leva a ineficiência da aplicação, menor controle fitossanitário e menor produtividade na lavoura”, conclui Sergio.

Veja quatro dicas para aplicar fungicida: 

1 – Utilize fungicidas de sítio específico e multissítios com registro para a cultura e o alvo, atendendo às recomendações de Manejo do FRAC;

2 – Somente prepare a calda momentos antes da aplicação;

3 – Não deixe a calda parada no pulverizador para que não decante e acabe prejudicando sua aplicação, limpeza e o equipamento em si;

4 – Opte por utilizar máquinas pulverizadoras devidamente reguladas que tenham a eficiência que você precisa para agitar essa calda preparada sem que os resíduos decantem.

 

Imagem créditos: AgrolinkFito – Leonardo Gottems

← Fungicida com dupla ação é alternativa contra requeima, alternaria e míldio Tecnologia inovadora para secagem de grãos →

Deixe seu comentário aqui