Elemento Cobre auxilia na proteção da soja contra doenças

Elemento Cobre auxilia na proteção da soja contra doenças

conforme dados da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa)A principal commodity agrícola do Brasil é afetada por aproximadamente 40 doenças, conforme dados da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa). Entre elas está a ferrugem, que provocou perdas significativas de soja desde seus primeiros relatos no país, durante a safra 2001/2002. Para controlar esse e outros problemas, novas medidas têm sido eficazes, como a associação de Cobre (Cu) a fungicidas, com o intuito de proteger as plantas.

“A pulverização excessiva reduziu a efetividade de fungicidas de 90% para cerca de 20%, já que os fungos adquiriram resistência. Para enfrentar a situação, combinamos Cobre com fungicidas à base de mancozeb, por exemplo. Nos próximos cinco a dez anos, essa será uma ferramenta imprescindível para garantir produtividade“, avalia o engenheiro agrônomo Fransérgio Batista, gerente técnico de grãos da Alltech Crop Science.

A empresa, especializada em nutrição vegetal, desenvolve soluções biológicas como o Coppercrop, que fornece Cobre para aumentar a imunidade dos cultivos. “Ainda vai demorar de oito a dez anos para que seja desenvolvida uma nova molécula de controle para a ferrugem. Então, os agricultores precisam contar com recursos como o Cobre para prevenir prejuízos nas lavouras”, observa.

Segundo Batista, uma vantagem exclusiva do Coppercrop é a tecnologia RESS (Rápido, Eficiente, Sistêmico e Seguro). Ou seja: é complexado por aminoácidos e 100% solúvel, facilitando o acesso à planta; é melhor aproveitado, já que grande parte do Cobre de sua composição está na forma bioativa; confere maior mobilidade ao elemento no interior da folha e estimula naturalmente os mecanismos de resistência; e tem impacto ambiental reduzido por ser uma fonte de Cobre menos agressiva, aplicada em baixa dosagem.

Outras culturas
Além da soja, os benefícios do Cobre podem ser verificados em outras culturas de grãos, frutas e hortaliças. “O elemento está relacionado à defesa da planta e, consequentemente, auxilia a minimizar a incidência de doenças. Também está bastante envolvido nas etapas de florescimento e frutificação”, explica o engenheiro agrônomo Marcos Revoredo, gerente técnico de hortifruti da Alltech Crop Science.

De acordo com Revoredo, o produto apresenta ainda ação nutricional, participando de processos fisiológicos como respiração e fotossíntese. “Dessa forma, favorece o equilíbrio dos cultivos, deixando-os protegidos e com resultados mais significativos em comparação a outras fontes de Cobre. Tudo isso aliando segurança alimentar, que é uma das principais exigências do mercado de hortifruti atualmente”, analisa.

← Valor bruto da produção agropecuária é recorde e fica em R$ 469,7 bilhões em 2015 Setor de logística defende prorrogação de incentivo tributário para modernização de portos →

Deixe seu comentário aqui