Farsul apresenta resultado das cultivares de soja 2015/2016

Farsul apresenta resultado das cultivares de soja 2015/2016
Foto:Gerson Raugust/Divulgação Sistema Farsul

Foto:Gerson Raugust/Divulgação Sistema Farsul

A época do plantio de soja nas três micro regiões do zoneamento agrícola do Rio Grande do Sul no ano passado influenciou diretamente no desempenho das lavouras, impactando numa diferença de produtividade de até 2 mil kg por hectare. O dado faz parte do Ensaio de Cultivares em Rede (ECR) da safra 2015/2016 elaborado pela Fundação Pró-Sementes em parceria com o Sistema Farsul apresentado hoje (18/7) na entidade.

Pela 1a vez, o levantamento considerou três épocas de plantio, de meados de outubro a dezembro, com o objetivo de detalhar ainda mais para o produtor o rendimento de cada tipo de semente considerando também a sazonalidade. “Os resultados mostraram a importância de incluir no planejamento da lavoura a melhor época de plantio considerando questões como características de clima e de solo”, afirmou o diretor Técnico e Administrativo da Fundação Pró-Sementes, José Hennigen,

O levantamento também deixou evidente a diferença de rendimento de uma mesma área dependendo da semente utilizada. “Estamos falando em variações de rendimento de até 30 sacos por hectare. As variedades mais produtivas variam conforme a época de semeadura”, afirmou Hennigen.

De uma maneira geral, o clima foi bastante positivo para a cultura na última safra, com exceção de alguns municípios da micro região 101, na metade Sul do Estado, que sofreu com muita chuva na época do plantio. Embora o clima estivesse adequado, algumas áreas das regiões 102 e 103 atrasaram a semeadura por conta do atraso da colheita do trigo. O Ensaio testou 2,8 mil parcelas de soja com 46 cultivares com representatividade comercial e indicadas pelo Zoneamento Agrícola do Ministério da Agricultura.

Cachoeira do Sul foi o município que apresentou melhor desempenho na região 101 com a cultivar 6563 , que obteve produtividade de 7119 kg/ha na 2a época de plantio. Conforme a engenheira agrônoma, Kassiana Kelh, responsável pela apresentação do levantamento, o município apresentou diferenças importantes entre as três épocas. O período de melhor produtividade coincidiu com a presença de maior luminosidade na formação da lavoura e menos chuva.

A 1a época de plantio foi a que apresentou melhor resultado na região 102. A BMX Vanguarda IPRO obteve 5955 quilos por hectare.

Na microrregião 103, a melhor produtividade foi obtida no plantio da 1a época com a FPS Paranapanema, com resultado de 5,438 kg/ha. Segundo Kassiana, a região apresentou diferença de 2 mil quilos por hectare entre a 1a e a 2a época, especialmente por conta da influência forte da ferrugem.

Hennigen destacou que o custo da semente é um dos menores da lavoura. “Por isso, é extremamente válido buscar a informação da melhor variedade que se adapta à cada região e período de plantio”, afirmou.

O presidente do Sistema Farsul, Carlos Sperotto, comentou a velocidade de renovação das cultivares ofertadas por conta do avanço das pesquisas na área. “Das cultivares utilizadas no Estado em 2008, quando iniciamos este levantamento, apenas duas ainda figuram no levantamento atual”, comentou. “Isso mostra o quanto estamos evoluindo e o quanto ainda podemos evoluir”, disse. Sperotto . Ele ressaltou a importância dos produtores terem acesso ao levantamento para que possam obter os melhores resultados possíveis nas lavouras. “Além dos meios que já dispomos para o acesso aos dados, essas informações deveriam ser multiplicadas a partir de treinamentos dos produtores e trabalhadores rurais para que possam usar as novas tecnologias da melhor forma”.

Realizado há nove anos, o estudo avalia o desempenho de novas cultivares de soja registradas e indicadas pelo Zoneamento Agrícola de risco climático, e tem por objetivo orientar o produtor na tomada de decisão sobre a melhor semente de acordo com as condições e características de sua região.

Os resultados completos do estudo estão na publicação “Desempenho de Cultivares de Soja Indicadas para o Rio Grande do Sul – Safra 2015/2016” estão disponíveis no site www.farsul.org.br e na página da Fundação Pró-Sementes

← Exportações do agronegócio atingem 75% do total comercializado pelo RS Biotrigo recebe cerealistas para treinamento sobre qualidade em trigos e farinhas →

Deixe seu comentário aqui