Glifosato não é cancerígeno, conclui agência europeia – Via Agrolink

Glifosato não é cancerígeno, conclui agência europeia – Via Agrolink

GLIFOSATOApós “avaliação exaustiva e completa”, a Autoridade Europeia de Segurança Alimentar (EFSA) concluiu que o glifosato não provoca câncer quando utilizado dentro dos limites prescritos na bula. O resultado dos estudos foi divulgado nesta quinta-feira (12.11), juntamente à recomendação do órgão para que a União Europeia (UE) aprove a renovação da licença por mais dez anos.

A EFSA afirmou que levou em conta as conclusões da Iarc (Agência Internacional de Pesquisa sobre o Câncer, na sigla em inglês). No último mês de Março, a agência vinculada à Organização Mundial de Saúde (OMS) classificou o herbicida mais utilizado do mundo como “provável cancerígeno”.

“Esse foi um processo exaustivo, uma avaliação completa, que levou em conta a riqueza de novos estudos e dados. No que diz respeito à carcinogenicidade, é pouco provável que essa substância seja cancerígena”, apontou Jose Tarazona, diretor da unidade de pesticidas da Efsa.

A Efsa estabelece que o limite seguro para o consumo diário é de, no máximo, 0,5 miligramas por quilo de peso corporal. Um indivíduo de porte médio (80 quilos) poderia ingerir, diariamente, alimentos contendo até 40 miligramas de resíduos de glifosato.

A Comissão Europeia que avalia a renovação do glifosato tem prazo até o ano que vem para decidir sobre a liberação do herbicida. “A Comissão toma nota do informe. Temos até junho de 2016 para tomar uma decisão”, afirmou o porta-voz da UE, Enrico Brivio, explicando que o parecer será submetido à consulta dos Estados-membros.

Fonte:

← Soja: Em Chicago, mercado inicia a sessão desta 2ª feira com ligeiras quedas - via Notícias Agrícolas Confirmado dois casos de mormo em Cruz Alta →

3 Comments

  1. Décio Goldmeier
    15/11/2015 at 11:07

    É mais um golpe duro para os comedores de grama.


  2. Rosaura
    13/11/2015 at 22:57

    Olá Romulo, obrigada pela informação. Se você leu até o fim pode perceber que replicamos a notícia feita pelo autor citado ao final da matéria. Não tivemos acesso ao estudo por completo, por isso não consta na referida matéria que, mais uma vez, lhe digo que foi apenas replicada. Obrigada pela contribuição e atenção.


  3. Romulo
    13/11/2015 at 21:07

    Quando tu citares um estudo, por favor faça as devidas referências ao mesmo, para que os leitores possam ter acesso a metodologia, resultados, discussão e etc. e assim ser mais críticos quanto a informação que eles estão recebendo.

    No link a baixo está um breve resumo debatendo dois estudos que dão pontos de vistas opostos ao uso do glifosato:
    http://www.nature.com/news/debate-rages-over-herbicide-s-cancer-risk-1.18794
    Note que a página pertence ao periódico nature, um dos mais respeitados periódicos científicos. Note também que ao final da discussão o autor faz as devidas referências aos estudos que ele cita.

    Na discussão o autor menciona que um dos pontos fracos do estudo feito pela EFSA, é que ele se dá a partir de estudos não publicados ou patrocinados pela iniciativa privada. As informações contidas no estudo da EFSA são difíceis de serem acessadas, o que não permite nosso criticismo.


Deixe seu comentário aqui