Importância da aplicação de potássio no final do ciclo da soja

Importância da aplicação de potássio no final do ciclo da soja

nutrientes produquimicaDepois do nitrogênio (N), fixado simbioticamente, o potássio (K) é o macronutriente mais extraído pela soja. No meio agronômico, a principal fonte de K é o sal cloreto de potássio (KCl), que apresenta baixa força de fixação no solo, o que faz com que o parcelamento de doses acima de 60 a 80 kg ha-1 de K2O, seja frequentemente recomendado, objetivando reduzir as perdas por lixiviação e o efeito salino sobre as sementes no solo.

Estudos já comprovaram que o aumento das doses de K promove incremento na produção de grãos de soja. Uma vez que a principal ação de K é a regulação osmótica das células vegetais (absorção e perda de água), um suprimento satisfatório resulta em maior hidratação e abertura dos estômatos, conferindo maior resistência a seca e a geada. Conforme observado a campo, plantas cultivadas sob baixa disponibilidade de K ou em regiões de elevada ocorrência de chuvas sofrem redução na fotossíntese, produção de proteínas e por consequência o enchimento dos grãos, justificando a suplementação foliar deste nutriente como forma de minimizar o efeito das perdas que o sal KCl sofreu desde sua aplicação até o período reprodutivo.

Fisiologicamente, logo após o estádio de R5.5 ocorre o máximo acúmulo de matéria seca e de nutrientes nas folhas, pecíolo e ramos da cultura, iniciando a seguir a sua redistribuição (translocação) dessas partes da planta para as sementes em formação, um período de rápido e constante acúmulo de reservas na semente que continua logo após o estágio R6.5, no qual a semente está com aproximadamente 80% de sua matéria seca total (IPNI). Neste contexto, a suplementação foliar com K, favorece uma maior translocação de fotoassimilados, principalmente nas vagens superiores, resultando em maiores taxas de absorção de água e qualidade no enchimento de grãos.

Importância Da Nutrição Vegetal Na Qualidade Fisiológica De Sementes

Conforme demonstrado na imagem (da esquerda sem aplicação, da direita com manejo Produquímica), retirada dos campos de desenvolvimento tecnológico da Produquímica no Rio Grande do Sul, notamos o efeito visual deste manejo com uma maior uniformidade das sementes tratadas. Análises de laboratório demonstraram ainda um aumento no vigor e peso de mil sementes, comprovando que por meio de um bom manejo podemos ter ganhos significativos em produtividade e rentabilidade. Vale lembrar que a suplementação foliar não substitui o manejo via solo, entretanto pode contribuir grandemente com a produção de grãos do cenário atual, onde tanto a necessidade por elevadas produtividades como as adversidades climáticas são constantes.

Eng. Agr. Dr. Ivair Nava – Consultor de Desenv. Técnico – Produquímica

Eng. Agr. M.Sc. Gabriel Schaich – Gerente Técnico e de Desenv. Região Sul – Produquímica

 

← Rentabilidade ao produtor Tecnologia LibertyLink® da bayer é lançada na Expodireto para sojicultores brasileiros →

Deixe seu comentário aqui