Manejo no tempo correto pode viabilizar aumento de produtividade de 5% nas lavouras de soja

Manejo no tempo correto pode viabilizar aumento de produtividade de 5% nas lavouras de soja

Desenvolvido para oferecer aos sojicultores brasileiros informações diferenciadas para se produzir mais e melhor, o projeto ’De Primeira, Sem Dúvida’, da Bayer CropScience, concluiu sua primeira etapa de monitoramentos com o encerramento da safra 2014/2015. Realizado nas seis principais regiões produtoras da cultura no País, o projeto constatou aumento médio de produtividade de 4,78%– 3,29 sacas a mais por hectare – nas áreas em que a aplicação de fungicidas foi efetuada no tempo certo em comparação com áreas onde a aplicação não ocorreu no momento adequado.

Participaram do projeto o Centro de Pesquisa e Inovação da Bayer em Paulínia (SP), Instituto Phytus (Santa Maria/RS e Planatina/DF), Cooperativa Agroindustrial Consolata – Copacol (Cafelândia/PR), AgroCarregal (Rio Verde/GO) e Agrodinâmica (Campo Novo de Parecis/MT). Monitoradas em tempo real, por meio de câmeras, cada área pesquisada contou com o acompanhamento diário de renomados especialistas no segmento de fitopatologia, que tiveram o desafio de combater a ferrugem asiática e outras doenças que afetam a produtividade da cultura.

Um dos pesquisadores participantes, Ricardo Balardin, da Universidade Federal de Santa Maria (RS), ressalta também o balanço positivo conquistado pelo programa. “Mesmo em condições climáticas totalmente diferentes nas áreas de experimento, a primeira etapa do ‘De Primeira, Sem Dúvida’ mostrou que o trabalho preventivo de controle de doenças é fundamental para evitar perdas e, consequentemente, aumentar a produtividade da safra”, argumenta.

Confira a tabela que compara o desempenho – em sacas por hectare – nas áreas com manejo correto e atrasado:

tabela

Além de Balardin, os estudos tiveram a orientação de Tiago Madalosso, engenheiro agrônomo responsável pelo Centro de Pesquisa Agrícola (CPA), Silvânia Helena Furlan, do Instituto Biológico (SP), Luis Henrique Carregal, da Universidade de Rio Verde (GO) e Waltemir José Carlin, engenheiro agrônomo da consultoria Agrodinâmica.

De acordo com Everson Zin, líder do projeto e gerente de Estratégia de Marketing da Bayer CropScience para FOX®, o uso da ferramenta propiciou que os pesquisadores verificassem o avanço da lavoura e, com isso, tomassem as decisões, sob as suas óticas técnicas, para realizar as projeções de manejo de doenças. “Podemos dizer que o ‘De Primeira, Sem Dúvida’ atingiu plenamente as expectativas nesta primeira fase de atuação. O aumento de produtividade alcançado nas áreas manejadas no tempo correto mostra que esta experiência pode levar o setor a uma perspectiva bastante favorável para às próximas safras”, afirma.

Expansão para a cultura do trigo

A repercussão positiva sobre a iniciativa e os resultados apresentados em sua primeira fase viabilizou a expansão do ‘De Primeira, Sem Dúvida’ para áreas de cultivo de trigo já na safra 2015. Segundo o executivo da Bayer, a escolha foi motivada pelo fato da cultura exigir ainda mais cuidado, uma vez que está mais suscetível a adversidades com as condições climáticas e proliferação de doenças. “Assim como realizamos com os sojicultores, o objetivo é possibilitar que o triticultor consiga atingir as melhores práticas de manejo e, consequentemente, alcançar melhores níveis de produtividade. Na batalha travada a cada safra pelos agricultores brasileiros, contar com tecnologia, previsibilidade, monitoramento e correto posicionamento das aplicações de fungicidas é fundamental para se alcançar bons resultados’’, conclui Zin.

Além dos cinco fitopatologistas da última safra, participarão da próxima etapa do projeto a Carolina Cardoso Deuner e Carlos Alberto Forcelini, ambos da Universidade de Passo Fundo (RS), Carlos André Schipanski da Fundação ABC, de Castro (PR), e Edson Borges da Fundação Chapadão, de Chapadão do Sul (MS).

Bayer CropScience – Comunicação América Latina

← Cientistas argentinos desenvolvem arroz tolerante à seca Chuvas continuam castigando a região Sul →

Deixe seu comentário aqui