Morre touro PH Uísque, destaque da raça Gir Leiteiro | Agrocampo | Notícias do campo, agronegócio, tecnologias e produção agrícola

Morre touro PH Uísque, destaque da raça Gir Leiteiro

Morre touro PH Uísque, destaque da raça Gir Leiteiro

O incomparável touro PH Uísque, destaque da bateria Gir Leiteiro da Alta, morreu após 15 anos de contribuição para a pecuária nacional. O animal, que fez história na Central sendo atualmente a genética mais utilizada na raça, faleceu neste domingo (07) decorrente de parada cardiovascular.

PH Uísque se destacou pela qualidade espermática e alta taxas de prenhes. Ao longo dos anos, o animal demostrou consistência de provas, com três anos consecutivos de PTA Leite entre os TOP do sumário. Além disso, o reprodutor possui o menor parentesco médio entre os TOP 20 melhores touros para leite.

“Sem dúvida um dos principais touros da raça Gir Leiteiro. Pedigree aberto e filhas com muita beleza, fizeram desse touro o destaque nas exposições de 2017”, ressalta Guilherme Marquez, gerente de produto Leite Nacional da Alta Genetics.

VEJA AINDA: PESQUISADORES IDENTIFICAM GENE RESPONSÁVEL PELA DUREZA DAS PAREDES CELULARES VEGETAIS

Touro consagrado, PH Uísque, é o primeiro filho do muito bem provado Supra-Sumo TE de Brasília. A linhagem materna vem com Atalaia, filha do Gaules e Palhoça – também da competente seleção Brasília. O reprodutor é do proprietário Paulo Horta B. da Silva.

VEJA TAMBÉM: PECUARISTA: COMO ATESTAR A QUALIDADE DA FORRAGEIRA?

A genética PH Uísque continua disponível através de sêmen convencional e sexado. Além disso, o reprodutor deixa como legado na Central seu filho, o touro Celeste Jm, uma excelente opção para linhagens CA Sansão, que possui genética top para sistema mamário e beleza racial. E ainda, o irmão Cosmo FIV Kubera, com avaliação genética para leite pela ABCZ/PMGZ leite 2016, no valor de 396,57 kg de PTA leite.

← Alta tecnologia de gerenciamento já é realidade para pequenos produtores Pesquisadores identificam gene responsável pela dureza das paredes celulares vegetais →

Deixe seu comentário aqui