A ocorrência dos nematoides das galhas em lavouras de soja da região sul do país: um problema ainda subestimado

A ocorrência dos nematoides das galhas em lavouras de soja da região sul do país: um problema ainda subestimado

A cultura da soja tem sofrido frequentes perdas decorrentes do ataque de fitonematoides. Esses microrganismos são especializados em se alimentar do sistema radicular, interferindo diretamente nos processos fisiológicos da planta, comprometendo o bom desenvolvimento da cultura e produtividade. Os danos causados por essas espécies, embora seja tarefa difícil de mensuração, podem variar de 10 a 50%. Um breve levantamento realizado pelo Instituto Phytus, localizado em Santa Maria – RS, apontou a ocorrência dos nematoides em níveis preocupantes nas lavouras da região sul do país. Uma das espécies encontradas frequentemente associada à cultura da soja foi o nematoide das galhas, Meloidogyne javanica.

Uma série de fatores vem contribuindo para instalação desse nematoide em muitas áreas. Dentre eles está a falta de conhecimento em relação aos principais sintomas causados na planta – devida muito à sua semelhança com outras injúrias de ordem biótica (fungos e bactérias) e abiótica (deficiência nutricional, encharcamento e compactação do solo); o sistema de cultivo durante o ano, com espécies de plantas que permitem a alimentação do nematoide o ano todo e a sua disseminação através da ação do homem, via implementos agrícolas. Cabe salientar que a erradicação ou a eliminação da espécie quando estabelecida em uma área de cultivo é praticamente impossível.

Os sintomas do seu ataque muitas vezes passam despercebidos, pois as culturas lentamente diminuem o vigor e produtividade da sua jornada. Porém alguns sinais que a planta exibe ao estar sob o ataque desses microrganismos podem ser identificados facilmente pelo produtor, pois as plantas expressam subdesenvolvimento seguido de amarelecimento da parte área. Em anos com pouca chuva e temperaturas elevadas algumas plantas podem apresentar murchamento com possíveis desfolhas a campo (queda prematura das folhas), que geralmente se dispõe em manchas e roboleiras (Figura 1).

09_figura1

Os sintomas nas raízes de soja apresentam um aspecto tumoral, com engrossamentos anormais, bem visíveis, conhecidos como galhas (Figura 2).

09_figura2

 

Embora a visualização dos sintomas acelere o processo de diagnose, é necessário o envio de amostras de solo e raízes para um laboratório especializado, pois dentro do gênero dos nematoides das galhas existem outras espécies capazes de causar danos significativos à cultura. Nesse caso a identificação e quantificação dos nematoides é medida fundamental para um bom programa de manejo a médio e longo prazo.

Atualmente existem várias alternativas no manejo, sendo que as mais utilizadas são cultivares resistentes – quando disponíveis -, rotação de culturas com plantas não hospedeiras, uso de plantas antagonistas e o controle químico e biológico via tratamento de sementes e sulco de semeadura. No entanto, o uso com essas ferramentas não garante a erradicação, apenas interferem no crescimento populacional no solo de forma a permitir o cultivo novamente nessas áreas.

Biólogo Paulo Santos, mestrando em Engenharia Agrícola da Universidade Federal de Santa Maria e colaborador ad hoc do Instituto Phytus.                

← 64ª Festa da Uva e do Trigo “50 anni di lavoro i felicità”

Deixe seu comentário aqui