a-verdadeira-agricultura-de-precisao

A verdadeira agricultura de precisão

O mercado brasileiro possui uma grande oferta de distribuidores de fertilizantes, infelizmente, a maioria dessas máquinas não possui informações confiáveis referentes à qualidade na distribuição, seja na dose ou na largura de aplicação (MOLIN, 2002). As normas ISO 5690/1 e ASAE S341.2 determinam que a qualidade de aplicação é gerada através da análise da regularidade da distribuição transversal, que é baseada no coeficiente de variação.

O coeficiente de variação (CV) mede a desuniformidade da dose aplicada dentro de uma largura de distribuição pré-determinada (MOLIN e MENEGATTI, 2003). Na prática, isso significa que uma máquina com alto CV irá lançar o fertilizante longe do alvo (a dose aplicada na lavoura não corresponde com a dose regulada na máquina). O coeficiente é apresentado na forma de uma porcentagem, que indica a variação, que pode ser uma subdosagem ou superdosagem. Com isso, fica claro que os distribuidores de fertilizantes com melhor qualidade de aplicação são aqueles com baixos CV.

Mas qual é o valor de um CV baixo?

Essa é uma pergunta muito debatida. Na área agrícola, conforme Pimentel Gomes (2002) um CV considerado baixo é menor ou igual a 10%. A Sociedade de Agricultura Alemã (DLG, na sigla em alemão) não reconhece distribuidores de fertilizantes com CV que exceda 12,5%. No Brasil não há consenso, porém Molin (2002) sentencia que um CV de 15% é considerado alto. É evidente que maior precisão (baixo CV) resulta em maior aproveitamento do insumo, melhora o potencial agronômico das plantas e como consequência, faz o produtor economizar recursos financeiros e operacionais, além de aumentar sua produtividade. Para alcançarmos baixos valores no CV dois fatores são definitivos: qualidade do fertilizante e perfil de distribuição. A qualidade do fertilizante pode ser medida e determinada através de diversas características: granulometria, solubilidade, índice salino, etc. Como não é o objetivo desse artigo discutir essas características, recomenda-se consultar um Engenheiro Agrônomo para a correta prescrição dos fertilizantes.

Outro fator decisivo é o perfil de distribuição, que pode ser descrito como o formato do leque da aplicação de fertilizante. Todos os distribuidores centrífugos possuem obrigatoriamente um perfil de distribuição característico. No Brasil, quase que a totalidade dos equipamentos possuem o Perfil de Distribuição Trapezoidal.

Banner

A linha de distribuidores de fertilizantes Accura da fabricante francesa KUHN, é a exceçãoPossui com exclusividade um Perfil de Distribuição Triangularque, associado a outras tecnologias exclusivas, mantém um coeficiente de variação aceito pelos exigentes padrões europeus de até 12,5% em larguras de aplicação que ultrapassam os 40 m. Os grandes diferenciais do Perfil Triangular são uma grande largura de transpasse e uma diminuição progressiva e controlada da dose ao longo da largura de aplicação.

Em uma compilação de estudos publicados na França e na Alemanha são comparados os perfis de distribuição e os impactos na produtividade e, por consequência, no lucro dos produtores. Duas máquinas foram reguladas e calibradas com a mesma dose e a mesma largura de aplicação (32m). A única diferença era o perfil de distribuição, um triangular e outro trapezoidal. No primeiro gráfico conseguimos identificar os perfis. No perfil triangular observamos a diminuição progressiva da dose, ao contrário do perfil trapezoidal que diminui a dose abruptamente.

Quando comparamos os gráficos do CV, a diferença fica mais evidente. Na largura de aplicação no perfil triangular o CV não ultrapassou 5% com uma tomada de dados de ± 3 m, já no perfil trapezoidal, com a mesma variação de 3 m o CV ultrapassou 10%. Nesse estudo, fica muito claro a superioridade do perfil triangular presente nos distribuidores Accura. A partir disso o produtor já pode calcular os benefícios que terá com esse tipo de tecnologia.

Em um segundo artigo foi gerado a curva de produtividade do trigo de 28 lavouras com o perfil de distribuição trapezoidal. Nesse estudo, após 3 aplicações de nitrogênio, o resultado é alarmante. O prejuízo apresentado nesse estudo foi resultado da baixa produtividade em áreas com subdosagem e acamamento em áreas com superdosagem. O mais impressionante é que o CV desse equipamento é de 27%.

LEIA TAMBÉM: O PODER DO BIG DATA

E no Brasil? Em primeiro lugar, no Brasil um CV de 27% chega a ser considerado aceitável, fato que confronta todos os princípios da agricultura de precisão. O Brasil possui pesquisas que identificam o CV de diversos modelos de distribuidores, porém esses estudos se atêm a esse campo, não explorando os resultados obtidos na colheita e em outras etapas do ciclo produtivo. Soares Filho (2014) apresenta dados sobre o CV dos principais distribuidores de fertilizantes do mercado brasileiro com diferentes produtos:

Analisando esses dados podemos concluir que os equipamentos disponíveis no Brasil estão aquém das expectativas, com altos valores para o CV, o que traz consequências desastrosas para os produtores. Entretanto, um estudo comparativo entre o Accura e o principal concorrente realizado pela Fundação Agrária de Pesquisa Agropecuária (FAPA) comprovou a superioridade dos distribuidores da KUHN:

Esses resultados apontam, na prática, pontos positivos a favor da linha Accura frente aos concorrentes, o que nos faz pensar: EXISTE AGRICULTURA DE PRECISÃO COM MÁQUINAS QUE POSSUEM UM ALTO COEFICIENTE DE VARIAÇÃO? A resposta é NÃO!

Com mapas cada vez mais precisos e doses cada vez mais apuradas, um alto CV impossibilita o distribuidor de corresponder satisfatoriamente com as doses determinadas nos mapas. Cabines confortáveis, monitores touchscreen, grande reservatório, design, alta potência, nada disso é capaz de minimizar os prejuízos que um distribuidor com alto CV pode causar para o produtor. Portanto a recomendação é identificar nos distribuidores parâmetros que realmente podem contribuir com resultados positivos: baixo coeficiente de variação e perfil de distribuição triangular. Essas duas características são as bases de desenvolvimento de toda a linha Accura e ficam comprovadas nos testes realizados pela FAPA.

Todas as tecnologias presentes na linha de distribuidores de fertilizante Accura foram desenvolvidas com foco nos produtores que, em um mercado cada vez mais competitivo, buscam aumentar sua produtividade e lucratividade. Todos os processos de desenvolvimento, manufatura e gestão utilizados na linha Accura seguem o padrão mundial da KUHN, garantindo ao mercado um produto nacional com qualidade mundialmente reconhecida. A KUHN busca ofertar aos produtores soluções que atendam às exigências e necessidades, se tornando uma parceira na produção de alimentos no Brasil e no mundo.

Veja a matéria na íntegra com gráficos e dados no seguinte link >> Matéria Completa

Deixe seu comentário