Nova geração de fertilizantes pode aumentar produtividade em 25% | Agrocampo | Notícias do campo, agricultura, agronegócio, tecnologias, cadeias produtivas, produção agrícola e o fortalecimento do setor no mercado

Nova geração de fertilizantes pode aumentar produtividade em 25%

Nova geração de fertilizantes pode aumentar produtividade em 25%

Uma nova geração de fertilizantes, fabricada a partir de nanopartículas de metais de transição (como ferro, cobre e cobalto) promete aumentar a produtividade agrícola em 25%.

A novidade foi desenvolvida por cientistas russos da National University of Science and Technology MISiS, Ryazan State Agrotechnological University e na Derzhavin Tambov State University.

De acordo com os pesquisadores, microelementos dos metais de transição influem diretamente no crescimento e fortalecem os sistemas de defesa da planta contra pragas e doenças.

“Desenvolvemos um fertilizante de uma nova geração com base em nanopartículas de metais, o que nos permite otimizar significativamente a tecnologia de uma série de ações agroquímicas”, afirmou o chefe do projeto, Alexander Gusev.

“Essas partículas de metais de transição têm um poderoso efeito estimulante sobre o crescimento da planta na fase de crescimento inicial. Assim, a futura planta é abastecida com um suprimento de microelementos necessários no estágio de semeadura, o que nos permite melhorar a germinação do campo, aumentar a resistência à adversidade e, finalmente, obter uma melhor colheita – como os experimentos mostraram os números aumentam 20-25 por cento”, complementa.

Para resolver o problema da alta mobilidade e tendência de fusão das nanopartículas, Gusev conta que usa estabilizadores orgânicos e processamento ultrassônico de soluções coloidais.

“Agora, depois de receber resultados de pesquisa de campo encorajadores, é necessário descobrir como um novo fertilizante atuará em diferentes solos, em relação a diferentes culturas e também é necessário avaliar de forma abrangente sua segurança ambiental antes de recomendá-lo para uso generalizado”, disse o cientista.

Por: AGROLINK –Leonardo Gottems

← Identificada a primeira ocorrência de ferrugem na safra 2017/18 Novo herbicida é alternativa para milho safrinha →

Deixe seu comentário aqui