PIB Agropecuária X PIB Agronegócio

PIB Agropecuária X PIB Agronegócio

cotações da sojaDe acordo com o IBGE, nos últimos vinte anos, a economia brasileira teve um crescimento médio de 2,6% ao ano. Nesse período, a agropecuária cresceu, em média, 3,8% ao ano; a indústria, 1,7%; e o setor de serviços, 2,8%. Os pesos médios foram: agropecuária 4,0%; indústria 25,8%; e serviços 70,2%.

Entre 1996 e 2015, enquanto que os setores da agropecuária e da indústria tiveram um declínio no peso da economia, o setor de serviços aumentou. A Agropecuária passou de 4,2% em 1996 para 3,7% em 2015; a indústria passou de 25,9% para 22,5%; e os serviços de 69,8% para 73,8%. Durante esse período, o ano de 2003 foi o de maior peso da agropecuária no PIB brasileiro (5,1%), enquanto que 2004 foi o melhor para a indústria (28,8%). Desde 2010 o setor de serviços vem aumentando seu peso na economia, tendo atingido seu pico ano passado (73,8%).

Se dividirmos esse período de vinte anos pelos mandatos presidenciais, observamos que durante o governo FHC[1] a agropecuária teve o maior crescimento (4,2% ano, em média), seguido pelo governo Lula (3,4%) e pelos cinco anos do governo Dilma (2,9%). Indústria e serviços tiveram um desempenho melhor durante o governo Lula (3,4% e 4,1%, respectivamente), seguido pelo governo FHC (1,1% e 2,4%) e Dilma (-0,4% e 1,3%).

O Cepea (Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada – ESALQ/USP) calcula o PIB do agronegócio, que é diferente do PIB da agropecuária calculado pelo IBGE. Segundo a metodologia do Cepea, o PIB do agronegócio é medido pela renda gerada em todas as atividades que se relacionam com a agropecuária, dividido em insumos para a agropecuária; produção agropecuária; agroindústria; e distribuição (comércio, transporte, demais serviços). Já o IBGE considera apenas o segmento da agropecuária.

De acordo com a metodologia do Cepea, o peso médio do setor do agronegócio foi de 21,6% da economia brasileira entre 1996 e 2015. No ano de 2003 foi quando o agronegócio teve o maior peso no PIB brasileiro (24,0%), enquanto que o menor peso foi em 2012 (19,8%). Ano passado o peso foi de 21,5%. Nos últimos vinte anos, o PIB do agronegócio cresceu, em média, 2,0% ao ano. Novamente separando pelos períodos presidenciais. No governo FHC o PIB desse setor cresceu, em média, 1,6% ao ano; 2,7% durante o governo Lula; e 1,9% nos cinco anos do governo Dilma. No gráfico 1 pode-se observar as taxas reais de crescimento anual dos últimos vinte anos do PIB total, calculado pelo IBGE, e o PIB do agronegócio, com a metodologia do Cepea.

Ao verificarmos os dados do Cepea, notamos a importância do agronegócio para a economia brasileira, representando mais de 20% do PIB brasileiro.

pib agronegócio

[1] A série de dados das Contas Nacionais do IBGE com a metodologia atual começa em 1996. Portanto, a média do governo FHC compreende os anos entre 1996 e 2002.

Marcel Grillo Balassiano
Economista do IBRE/FGV (Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas). Mestre em Administração pela Escola Brasileira de Administração Pública e de Empresas (EBAPE) e bacharel em Economia pela Escola Brasileira de Economia e Finanças (EBEF), Fundação Getúlio Vargas (FGV).

 

← OTIMISMO MARCA DISCURSOS NO PRIMEIRO DIA DO CONGRESSO ANDAV Painel Y - Os Jovens e o Agro - Seminário A Voz Do Campo →

Veja quem comentou

  1. Elielton Santos
    08/06/2017 at 14:58

    Adorei o artigo, parabéns!
    O desafio é grande, mas temos que continuar produzindo sem desanimar!
    Nosso setor também contribui fortemente com a agricultura nacional.
    Informações nos links
    Grama preço
    Grama Esmeralda preço
    Grama Batatais preço
    Grama São Carlos preço
    Grama Bermudas preço
    Grama Santo Agostinho preço e
    Grama Coreana preço


Deixe seu comentário aqui