Produção de grãos deverá ser de 198 milhões de toneladas

Produção de grãos deverá ser de 198 milhões de toneladas

Produção de grãos deverá ser de 198 milhões de toneladasA produção de grãos no Brasil na safra 2014/2015 está estimada em 198,5 milhões de toneladas, 2,6% ou 4,98 milhões de toneladas a mais do que a última safra, quando foram colhidas 193,5 milhões. Em relação ao levantamento do mês passado, houve uma correção de menos 0,8%. Os números são do 6º levantamento divulgado pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) nesta terça-feira (10).

A soja é o destaque das pesquisas, com a colheita em pleno andamento. Mesmo enfrentando problemas climáticos em janeiro, que influenciaram a expectativa de produtividade no Sudeste, parte do Centro-Oeste e na região do Matopiba (Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia), a produção ainda é superior à safra passada. O incremento deve ser de 8,3% ou o equivalente a 7,14 milhões de toneladas, levando a uma produção de 93,26 milhões de toneladas. O milho primeira safra teve uma redução de 6,1%, o que representa 1,93 milhão de toneladas a menos que a safra anterior, de 31,65 milhões de toneladas.

Área – A área destinada ao plantio de grãos deve ser praticamente a mesma que a da última safra, chegando a 57,03 milhões de hectares. Dentre os principais produtos, a soja apresenta também evolução, com um crescimento de 3,9%, passando de 30,17 para 31,33 milhões de hectares. A área destinada ao algodão deve diminuir, ficando em 976,1 mil hectares – 13% inferior à safra 2013/2014. O motivo é a redução do consumo e dos preços praticados e o excesso dos estoques interno e externo. O levantamento também faz estimativas para as culturas de segunda safra, com uma expectativa de redução de 2,2% na área de milho, passando de 9,21 para 9,01 milhões de hectares.

A pesquisa foi realizada entre os dias 22 e 28 de fevereiro, quando foram levantadas informações de área plantada, produção estimada, produtividade média estimada, evolução do desenvolvimento das culturas, pacote tecnológico utilizado pelos produtores, além de evolução da colheita e outras variáveis. O trabalho tem parceria da Conab com agrônomos, técnicos do IBGE, de cooperativas, secretarias de agricultura, órgãos de assistência técnica e extensão rural (oficiais e privados), agentes financeiros e revendedores de insumos, que subsidiam os técnicos da estatal com informações pertinentes aos levantamentos.

← NOTA OFICIAL: Contra a irresponsabilidade política e as soluções casuísticas Tecnologia LibertyLink® da bayer é lançada na Expodireto para sojicultores brasileiros →

Deixe seu comentário aqui