Setor leiteiro pede regulamentação das importações

Setor leiteiro pede regulamentação das importações

Mais de mil produtores de leite iniciaram a semana reivindicando melhores políticas governamentais para fortalecer o segmento que enfrenta uma das maiores crises das últimas décadas em decorrência do baixo preço recebido pelo litro do leite.

Com a presença do ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Blairo Maggi, de diversos políticos e lideranças do setor, os produtores realizam o Manifesto S.O.S Leite nesta segunda-feira (16/10), em Prata/MG. Entre as reivindicações apresentados ao ministro está a redução do volume de leite importado do Uruguai. Em 2016, o Brasil foi o destino de 86% do leite em pó desnatado e de 72% do leite em pó integral exportado pelo Uruguai.

Segundo o presidente da Associação Brasileira dos Criadores de Girolando, Luiz Carlos Rodrigues, os produtores apresentaram ao ministro a grave situação da produção de leite no Brasil e pediram a regulamentação das importações de forma que o mercado interno não seja mais prejudicado.

Leia também >> Quanto leite devemos dar as bezerras?

“O custo de produção é maior que o valor recebido pelo produtor e a grande entrada de leite do Uruguai só piora a situação”, diz Rodrigues. Enquanto o preço médio nacional pago ao produtor em setembro foi de R$1,13 (com vários Estados pagando menos de um real), o custo de produção está em torno de R$1,30. Hoje, o setor emprega mais de cinco milhões de pessoas.

Para o coordenador da Câmara de leite da Organização das Cooperativas do Brasil (OCB), Vicente Nogueira, o ministro teve uma demonstração clara do quanto o setor está mobilizado na defesa de melhores condições para produção.

“Ninguém deseja proibir totalmente as importações, mas esse mercado precisa ser organizado, ou seja, ter um volume mínimo e máximo para a entrada do leite do Uruguai para que o mercado interno não seja afetado.”, ressalta Nogueira. Segundo ele, a pecuária leiteira passa pela maior crise já vivida.

Veja mais sobre >> O processo fermentativo de silagens de milho

“Não adianta ter balde cheio e bolso vazio. Quando o produtor decidir cruzar os braços em razão de não ter mais condições de produzir o que será do país? Estamos preparados para ir à Brasília com milhares de produtores para entregar nosso pleito ao presidente Temer.”, garante o representante da OCB.

Eduardo de Carvalho Pena, vice-presidente Faemg e presidente Comissão Técnica de Leite, lembra que essa é uma reivindicação feita pelo setor há mais de 10 anos.

“Não queremos fechar as portas do mercado comercial na América do Sul, mas a importação precisa ser regulamentada. Da mesma forma que para a Argentina existe uma cota em torno de 4.500 toneladas/mês, para o Uruguai também deve existir. Hoje, essa importação é predatória para os produtores brasileiros, principalmente Minas Gerais que é o maior produtor de leite do Brasil. Até o mês passado já tinha entrado mais de 100 mil toneladas de leite do Uruguai. É um número gigantesco, como se estivesse abrindo uma grande empresa no país.”, diz Pena.

Os produtores ainda pedem que o governo brasileiro investigue se realmente há triangulação nas importações feitas do Uruguai, para que o leite da Europa entre no Brasil via Mercosul, sem ser tarifado. O ministro disse que o assunto é bastante complexo, que envolve mercado interno e externo.

“Estive com o presidente Temer semana passada, reportando a ele o grau de dificuldade que temos no setor. Nosso desejo é ter uma cota com o Uruguai. Não reclamamos do volume, mas da forma como o leite entra no Brasil. A culpa não é do Uruguai, mas sim dos importadores que entram e saem do mercado quando querem derrubando os preços no mercado interno. O presidente Temer fica um pouco inibido neste momento por ser também presidente do Mercosul, mas cabe a ele discutir isso dentro do Mercosul. A posição do Mapa será sempre em defesa do produtor.” , disse Maggi, que suspendeu as importações do Uruguai este mês.

Segundo ele, será difícil manter a medida por muito tempo, mas esta semana haverá uma vistoria no Uruguai para verificar se há realmente uma triangulação nas importações.

Larissa Vieira – Jornalista

Cadastre-se para receber notícias GRATUITAMENTE por e-mail AQUI
O que você gostaria de ler? Para pedir uma matéria CLIQUE AQUI e envie uma mensagem para a nossa redação!

← Cenário atual e futuro do leite XIV FENATRIGO: Fique por dentro dos eventos técnicos para o desenvolvimento no agronegócio →

Deixe seu comentário aqui