Resistência de insetos as culturas transgênicas

Resistência de insetos as culturas transgênicas

Resistência de insetos as culturas transgênicasA introdução de genes para resistência a insetos-praga foi um dos primeiros casos de sucesso do uso em larga escala de técnicas moleculares. Desde o ano de 1996 tem sido comercializadas, no mundo, variedades de algodão, canola, milho e soja contendo genes cry que conferem resistência aos insetos. No Brasil, a liberação do primeiro evento biotecnológico para controle de insetos foi na safra 2005/2006 com o Algodão Bt. Em soja, a tecnologia Intacta expressando a proteína Cry1Ac foi liberada em 2010, mas seu cultivo tem sido realizado mais intensamente nas últimas duas safras.

A crescente área de cultivos Bt levantou questões sobre a evolução da resistência de insetos-praga a essas tecnologias. A expressão contínua de proteínas Bt em plantas geneticamente modificadas exerce alta pressão de seleção de indivíduos resistentes a essas proteínas. Os mais acentuados casos de resistência no campo foram registrados para a lagarta-do-cartucho Spodoptera frugiperda à proteína Cry1F do milho Herculex em Porto Rico e no Brasil.

As estratégias de manejo da resistência objetivam prevenir ou atrasar falhas de campo. A principal estratégia de manejo da resistência é obtida pela combinação da alta-dose (dose suficientemente alta capaz de matar os indivíduos heterozigotos, ou seja, os indivíduos originados do cruzamento entre resistentes e suscetíveis) e áreas de refúgio. O refúgio compreende uma área onde a praga não é exposta à pressão de seleção pela proteína Bt, na qual os indivíduos suscetíveis podem sobreviver, reproduzir e acasalar-se com os indivíduos sobreviventes da área Bt. O tamanho das áreas de refúgio é definido em função de diversos fatores genéticos e ecológicos das pragas.

No caso da soja, a cultura apresenta particularidades que podem afetar significativamente a evolução da resistência por insetos. Neste caso, destaca-se a grande e contínua área de cultivo, associado a ocorrência de insetos que tem preferência por essa cultura. Além disso, diferente da cultura do milho que existe um controle na venda de sementes pelas empresas detentoras, no caso da soja não há esse controle, portanto afeta negativamente o manejo da resistência.

A pergunta que fica é: Qual a vida útil da soja Intacta? A resposta vai depender de como vai evoluir a área dessa tecnologia e como estão distribuídos os refúgios. Quanto mais rápido evoluir o tamanho da área de soja Intacta, mais curta será a vida útil dessa tecnologia.

← Nitrogênio: bom posicionamento para ótima qualidade e rendimento do trigo Manejo Integrado de Pragas é intensificado na região de Santa Maria, RS →

Deixe seu comentário aqui