Reunião da Comissão Brasileira de Pesquisa de Aveia discute produção de sementes | Agrocampo | Notícias do campo, agricultura, agronegócio, tecnologias, cadeias produtivas, produção agrícola e o fortalecimento do setor no mercado

Reunião da Comissão Brasileira de Pesquisa de Aveia discute produção de sementes

Reunião da Comissão Brasileira de Pesquisa de Aveia discute produção de sementes

Na manhã do dia 21 de março de 2017, durante a programação da XXXVII Reunião da Comissão Brasileira de Pesquisa de Aveia, foi realizado o painel “A Produção de Sementes de Aveia Branca e Preta no Sul do Brasil”. Sob a coordenação do diretor da Agroalpha, Rui Colvara Rosinha, o painel discutiu os entraves, problemas e soluções relacionados à produção de sementes da cultura.

O tema foi debatido por Alexandre Levien, da entidade certificadora Fundação Pró-Sementes, Regis Tadeu Machado Júnior, da Kernel Comércio de Sementes Ltda., e pelo produtor rural Armando Roos, de Não-Me-Toque (RS).

Levien destacou os problemas mais comuns encontrados na produção de sementes de aveias, como a falta de um manejo adequado de plantas daninhas, misturas e contaminações no momento da colheita e do beneficiamento. Ele também abordou as mudanças nos padrões exigidos para a produção de sementes de aveia preta, que entram em vigor já na safra 2017/2017.

Rui Rosinha mostrou estatísticas que revelam que a maioria dos campos de produção de sementes de aveia branca inscritos no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), é formada por cultivares protegidas. Já no caso da aveia preta, 88% dos campos são de variedades não protegidas. O diretor da Agroalpha destacou o domínio do mercado pelos materiais Embrapa 139 e Embrapa 29, que estão em domínio público. Na avaliação de Rosinha, o fim da autorização de comercialização da aveia preta comum, em 2011, alavancou a produção de cultivares não protegidas.

Armando Roos avaliou a aveia como uma boa alternativa ao trigo no período do inverno. O produtor rural destacou a evolução da cultura e as suas vantagens, tais como a sua palhada que atua na cobertura do solo.

O engenheiro agrônomo da Kernel Comércio de Sementes, Regis Tadeu Machado Júnior, citou a falta de fiscalização e a semente “bolsa branca” (ilegal) como entraves no desenvolvimento de mercado da cultura. Ele lembrou, ainda, que por meio do insumo não fiscalizado são introduzidas nas lavouras pragas e plantas invasoras.

A XXXVII Reunião da Comissão Brasileira de Pesquisa de Aveia está sendo realizada na Universidade de Passo Fundo (UPF) entre os dias 21 e 23 de março de 2017. A programação conta com palestras, painéis e apresentações de trabalhos acadêmicos e de ensaios de linhagens e cultivares de aveias.

Assessoria de Imprensa Agroalpha

← Está oficialmente aberta a colheita da Soja no Estado Economista analisa perspectivas de mercado para safra de milho →

Deixe seu comentário aqui