Rússia abre, pela primeira vez, mercado de leite em pó para o Brasil

Rússia abre, pela primeira vez, mercado de leite em pó para o Brasil

leite_em_póOnze empresas brasileiras receberam nesta quarta-feira (8) autorização do Ministério da Agricultura da Rússia para exportar leite em pó. A medida, comemorada pelo setor de lácteos, foi anunciada durante visita da ministra Kátia Abreu a Moscou. Esta será a primeira vez que o Brasil venderá o produto à Rússia. A Associação Brasileira de Laticínios (Viva Lácteos) espera atingir, a médio prazo, metade do mercado russo, que importa anualmente 630 mil toneladas de leite em pó – equivalente a US$ 1,2 bilhões.  Para o diretor executivo da entidade, Marcelo Costa Martins, a “superação da burocracia” e a credibilidade do sistema de defesa do Brasil foram “essenciais” para a conquista do setor.

Prelisting
A secretária de Relações Internacionais do Agronegócio, Tatiana Palermo, reuniu-se nesta manhã com o chefe do Serviço Veterinário e Fitossanitário Federal da Rússia, Sergey Dankvert, e sua equipe para acertar os detalhes do acordo, que estava em negociação desde fevereiro.

O leite em pó fará parte de protocolo de prelisting entre as duas pastas, o que significa que empresas brasileiras poderão ser autorizadas a exportar sem necessidade de fiscalização prévia, desde que atendam aos requisitos da legislação daquele país. A autoridade russa averiguará quando julgar necessário.

“Temos todas as condições de atingir 50% do mercado russo no médio prazo”, afirmou Kátia Abreu, ao se reunir com o ministro da Agricultura da Rússia, Alexander Tkachev. “Exportamos apenas 1% da nossa produção, que em 2014 foi de 37 bilhões de litros. Aumentamos nossa produção anual em 5% e nosso consumo avança apenas em 3%. Por conta desse descompasso, temos que aumentar e diversificar nossas exportações”, disse a ministra.

A Viva Lácteos comemorou a medida. A associação faz parte da comitiva de empresários que acompanha a ministra a Moscou. Os deputados Newton Cardoso Júnior (PMDB-MG) e Irajá Abreu (PSD-TO) e o senador Wellington Fagundes (PR-MT) também participam da missão, além do diretor superintendente do Sebrae de Tocantins, Omar Hennemann.

“Sem nenhuma dúvida, é uma conquista para o setor. O importante agora é que as empresas habilitadas iniciem seus processos de exportação. Com a abertura para o leite em pó, conseguiremos inclusive alavancar a venda de outros produtos, como queijo e manteiga”, disse Marcelo Costa Martins.

Contrapartida

A exportação de tripas à Rússia também entrará no acordo de prelisting. Em contrapartida, o Ministério da Agricultura concluiu as análises para liberar a importação de pescado e de trigo da Rússia, pedido que se arrastava na burocracia. Metade do trigo consumido no Brasil é comprada de outros países.

“Atualmente compramos trigo de países que não têm comércio intenso com o Brasil, como o Canadá.  Vamos mudar isso e priorizar os mercados que nos oferecem reciprocidade, como é o caso da Rússia, um dos principais destinos de carnes bovina, suína e de aves”, assinalou a ministra.

← Soja: Últimas previsões trazem mais chuvas para os EUA e preços testam recuperação na CBOT Soja segue na defensiva e trabalha com ligeira baixa em Chicago na manhã desta 4ª feira →

Deixe seu comentário aqui