SOJA: A influência da temperatura e umidade na qualidade da semente | Agrocampo | Notícias do campo, agricultura, agronegócio, tecnologias, cadeias produtivas, produção agrícola e o fortalecimento do setor no mercado

SOJA: A influência da temperatura e umidade na qualidade da semente

SOJA: A influência da temperatura e umidade na qualidade da semente

Quando falamos que uma semente de soja possui alta qualidade, lembramos que germinação e vigor são alguns dos melhores indicativos que podem comprovar tal afirmação, porém, a excelência destes índices vem do campo e podem sofrer variações durante diversas etapas do processo pós-colheita, sendo que um dos principais fatores que podem alterar significativamente estes números são o teor de umidade e a temperatura das sementes durante seu armazenamento.

No momento da colheita as sementes de soja que provém do campo possuem alto porcentual de germinação e vigor. Tais índices podem ser perdidos devido à elevada umidade e temperatura existentes na massa de grãos, pois isto pode facilitar a infecção por fungos, principalmente, no período que antecede a secagem e também durante a armazenagem destas sementes. No estado do Rio Grande do Sul as colheitas iniciam no mês de março, onde podemos observar temperaturas diurnas ainda elevadas e com muita frequência as sementes chegam do campo com temperaturas entre 36 a 38ºC. Logo, se estas sementes passarem por processo de beneficiamento contínuo, esta temperatura pode ser transferida ao meio em que estão condicionadas, sendo que no momento da sua embalagem é comum encontrarmos temperaturas entre 25 e 28ºC.

>> Leia também: A importância do vigor nas sementes de soja

A temperatura é um fator muito importante para a conservação da qualidade de sementes armazenadas e seu aumento acelera a maioria das reações bioquímicas. No caso da soja, o metabolismo das sementes diminui quando o teor de água é igual ou inferior a 12%, ou seja, baixa temperatura e baixo teor de água são ideais para mantermos a semente viável durante o armazenamento por um período maior de tempo. Com o objetivo de contornar tal desafio associado à temperatura, podemos lançar mão de varias alternativas, uma delas é o resfriamento artificial, que surge como importante opção para a conservação de sementes em armazém convencional. Esta nova técnica consiste em insuflar ar frio (produzido por um sistema de refrigerador artificial) pela massa de sementes provocando a consequente redução de temperatura, o que desacelera a deterioração da mesma.

Portanto, o setor sementeiro esta em constante evolução. Tecnologias que venham para melhorar as condições de beneficiamento e armazenagem de sementes são muito bem vindas. Cabe a cada empresa produtora de sementes adotar tais tecnologias para que o seu produto final tenha realmente qualidade superior. Com isto, quem ganha é o agricultor que percebe os frutos destes avanços e acaba colhendo os resultados no campo.

Engenheiro Agrônomo Maurício De Bortoli

← Percevejo-marrom e o manejo integrado Trigo sem aristas: cultivo favorece o planejamento de disponibilidade de alimento para o gado durante todo o ano →

Deixe seu comentário aqui