SOJA: mercado é altista para a safra 2016/2017

SOJA: mercado é altista para a safra 2016/2017

SOJA: mercado é altista para a safra 2016/2017A tendência é altista para os preços da soja no mercado brasileiro, com a alta dos futuros em Chicago, exportações aquecidas, demanda interna firme por farelo e óleo e quebras confirmadas na safra da Argentina, bem como forte alta dos prêmios pagos nos portos brasileiros. O contrato julho/2016 em Chicago está mais próximo dos US$ 12 por bushel, maior nível em 2 anos e alta acumulada de 36% em 2016. A projeção de importações da China em 2016/2017 é de 87,0 milhões de toneladas, 4,8% acima das 83,0 milhões de toneladas em 2015/2016.

Na Argentina, a avaliação preliminar é que a safra deve cair de 60 milhões de toneladas para 50 milhões a 55 milhões de toneladas. Como o país é o maior exportador global de farelo e óleo de soja, deverá haver desvio de demanda para os Estados Unidos, bem como para o Brasil. Nos Estados Unidos, há a ameaça de estiagem em junho e a possibilidade de o fenômeno La Niña atingir o país. No Brasil, as quebras de safra no Matopiba (MA, PI, TO e BA) e algumas áreas do Centro-Oeste reduziram a safra de 102,6 milhões de toneladas previstos em março para 97 milhões de toneladas. As perdas mais acentuadas ocorreram no PI, MA, TO, BA e MT. Entre janeiro e maio, as exportações brasileiras de soja em grãos atingiram o recorde de 30,804 milhões de toneladas, 37,3% acima do mesmo período do ano passado.

Soja: Dólar E Demanda Firme Sustentarão Preços

Com isso, os prêmios nos portos brasileiros subiram para US$ 1,20 a US$ 1,30 por bushel acima da cotação em Chicago. A entressafra doméstica começará mais cedo em 2016. Com os contratos futuros em patamares mais altos na Bolsa de Chicago, há antecipação das negociações para a safra 2016/2017 no Brasil, com vendas que atingem 20% da produção esperada, até final de maio. A tendência é de novas altas nos preços do grão, já que um grande volume de soja já foi comercializado neste ano.

Carlos Cogo
Sócio-Diretor de Consultoria
Carlos Cogo Consultoria Agroeconômica

← Fertilizantes: autossuficiência reduz os preços ao produtor ou não? Cerrado brasileiro e a expansão da área e da produção de grãos →

Deixe seu comentário aqui