Apesar de ainda pressionada, soja busca recuperação e opera em alta em Chicago nesta 4ª feira – Via Notícias Agrícolas | Agrocampo | Notícias do campo, agricultura, agronegócio, tecnologias, cadeias produtivas, produção agrícola e o fortalecimento do setor no mercado

Apesar de ainda pressionada, soja busca recuperação e opera em alta em Chicago nesta 4ª feira – Via Notícias Agrícolas

Apesar de ainda pressionada, soja busca recuperação e opera em alta em Chicago nesta 4ª feira – Via Notícias Agrícolas

cotações da soja dólarPor Carla Mendes. Os futuros da soja negociados na Bolsa de Chicago mantêm sua volatilidade e voltam a subir na sessão desta quarta-feira (23) após a expressiva baixa registrada ontem. O mercado segue à procura de um bom posicionamento frente à evolução da colheita nos Estados Unidos e as confirmações da nova safra norte-americana.

Assim, por volta das 8h (horário de Brasília), os principais vencimentos subiam entre 5,50 e 6,75 pontos, com o contrato novembro/15, referência para a safra americana, valendo US$ 8,67, tentando se manter acima dos US$ 8,60 por bushel.

Apesar dessa tentativa de recuperação, no entanto, as cotações da oleaginosa seguem pressionadas e, como sinalizam analistas e consultores de mercado, essa pressão, mesmo que sazonal da chegada da nova soja dos EUA, deve continuar direcionando os negócios.

Veja como fechou o mercado nesta terça-feira:

[ubm_premium_banner_rotation banners=4,5,17 interval=8 width=250 height=250 orderby=rand]

Soja: Mercado no Brasil mira disparada do dólar e fecha com forte alta nesta 3ª feira

O dia foi agitado para o mercado da soja nesta terça-feira (22). Enquanto as cotações encerraram o dia com baixas de dois dígitos na Bolsa de Chicago, mais uma disparada do dólar no Brasil puxou os preços da oleaginosa no mercado interno e nos portos. Os ganhos só não foram mais expressivos pelo recuo no quadro internacional, afinal, além do câmbio, as cotações nacionais contam ainda com os elevados prêmios que continuam sendo pagos nos principais terminais de exportação.

No porto de Rio Grande, depois de bater nos R$ 86,00 ao longo do dia, a soja disponível terminou os negócios desta terça-feira com R$ 85,50 e alta de 1,54% em relação ao fechamento desta segunda-feira (21), enquanto o produto da safra nova foi a R$ 85,00 por saca, com ganho de 1,80%. Já em Paranaguá, disponível estável nos R$ 82,00 e alta de 1,85% para a futura, que encerrou o dia valendo R$ 82,50.

No interior do Brasil, boas altas foram registradas e em muitas praças de comercialização o preços da soja disponível já passa dos R$ 70,00 por saca. Em Luís Eduardo Magalhães, na Bahia, o valor fechou a terça-feira com R$ 78,00, subindo 8,33%. Em São Gabriel do Oeste/MS, alta de 2,82% para R$ 73,00 e em Ubiratã e Londrina, no Paraná, alta de 1,53% para R$ 71,00.

Em contrapartida, na Bolsa de Chicago, os principais vencimentos terminaram a sessão perdendo entre 10,75 e 12,50 pontos, levando o contrato novembro/15, referência para a safra americana, a US$ 8,61 por bushel, enquanto o maio/16 fechou o dia valendo US$ 8,74.

Segundo explicaram analistas, a pressão sazonal sobre a oleaginosa na CBOT vêm, principalmente, da chegada da nova e grande oferta dos Estados Unidos na medida em que a colheita da temporada 2015/16 avança. No último boletim semanal de acompanhamento de safras trazido pelo USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) os números mostraram que, até o domingo (20), cerca de 7% da área norte-americana já havia sido colhida, índice em linha com a média dos últimos cinco anos.

Já sobre o índice de condição de lavouras de soja em boas ou excelentes condições, houve um reajuste positivo e passou de 61 para 63% em uma semana, o que também pesou sobre o mercado.

“A colheita nos EUA vai continuar batendo nos próximos dias. É o fato de os produtores estarem já colhendo, estão por enquanto vendendo produto da safra velha, têm uma boa capacidade de estocagem, mas estão pouco vendidos. Ao contrário dos brasileiros, os produtores americanos enfrentam um problema bem diferente que é a valorização do dólar”, diz Carlos Cogo, consultor de mercado da Carlos Cogo Consultoria Agroeconômica.

E essa forte valorização da moeda norte-americana também é fator de pressão sobre as cotações da soja em Chicago. Nesta terça, o dólar não subiu só frente ao real mas à uma série de principais moedas e foi mais combustível para a ampliaçção das baixas, uma vez que o movimento acaba retirando a competitividade dos produtos negociados nas bolsas norte-americanas.

“Hoje, a soja norte-americana é a soja mais cara do mundo. Então, uma soja ultravalorizada para futuros na Bolsa de Chicago isso é, evidentemente, baixista, porque se vê menos demanda pela soja de seu país. Em termos globais, temos uma demanda firme, mas em termos locais, os produtores vão ter que reter sua colheita e esperar”, explica o consultor.

Dessa forma, com o atual quadro formado por esses componentes, Cogo afirma ainda que, mesmo com algum suporte vindo da demanda, o mercado não tem espaço para uma nova disparada forte dos preços neste momento e que, portanto, a oleaginosa deverá continuar sentindo essa pressão e buscando uma acomodação.

Fonte: Notícias Agrícolas

← Soja mantém mercado próximo da estabilidade em Chicago e opera com ligeira alta nesta 5ª - Via Notícias Agrícolas Soja trabalha com leves baixas na Bolsa de Chicago nesta 3ª; colheita nos EUA está em 7% - Via Notícias Agrícolas →

Deixe seu comentário aqui