Soja: Mercado segue movimento negativo e exibe novas baixas em Chicago nesta 5ª – Notícias Agrícolas

Soja: Mercado segue movimento negativo e exibe novas baixas em Chicago nesta 5ª – Notícias Agrícolas
Mercado em Chicago fecha com forte quedaPor: . O mercado internacional da soja segue trabalhando do lado negativo da tabela na Bolsa de Chicago nesta quinta-feira. Por volta das 7h40 (horário de Brasília), os principais vencimentos da oleaginosa perdiam entre 4 e 5,25 pontos, todos operando abaixo dos US$ 9,00 por bushel. O contrato novembro/15, referência para a safra norte-americana, era cotado a US$ 8,99.

O ambiente para as cotações da commodity segue, pelo menos nesse momento, ainda desfavorável com boas perspectivas de clima nos EUA favorecendo a conclusão da nova safra do país, e das preocupações em relação à economia da China, principalmente.

Novamente nesta quinta, as bolsas chinesas voltaram a recuar e, segundo informações da agência de notícias Reuters, refletindo as informações de que empresas receberam investimentos do governo chinês. Desde a desvalorização do yuan, a bolsa de Xangai já acumula uma baixa de 7%.

[ubm_premium_banner_rotation banners=4,5,19 interval=8 width=250 height=250 orderby=rand]

Veja como fechou o mercado nesta quarta-feira:

Soja: Mercado em Chicago fecha com forte queda; no Brasil, leve baixa nos portos nesta 4ª feira

Os futuros da soja negociados na Bolsa de Chicago fecharam a nervosa sessão desta quarta-feira (19) com baixas significativas nos principais vencimentos. O pregão foi marcado por forte volatilidade, com o mercado futuro americano testando novas mínimas e ainda repercutindo as notícias que começaram a chegar na semana passada.

O contrato setembro/15 encerrou os negócios valendo US$ 9,03 por bushel, com queda de 9,75 pontos, enquanto o novembro, referência para a safra americana, perdeu 10,75 e fechou em US$ 8,93. Já o maio/16, referência para a safra brasileira, fechou o dia em US$ 9,01, caindo 9,4 pontos.

Para Mársio Ribeiro, consultor da TRINI Consultoria, o mercado pode vir a testar, com esse novo ambiente de informações influenciando os negócios, preços entre US$ 8,50 e US$ 9,00 por bushel. O consultor explica ainda que somente com novos problemas sendo reportados haveria a possibilidade de uma recuperação expressiva das cotações. “caso contrário não existe espaço para recuperação. Somente o clima, ou notícia difrente em termos de demanda ou estoques poderiam levar à alguma mudança na tendência”, disse.

Nesta sessão, a commodity voltou a sentir o peso do desenvolvimento da nova safra dos Estados Unidos, das últimas previsões climáticas trazendo boas condições para a conclusão das lavouras do país, além de um mercado financeiro mais nervoso e de movimentos técnicos, com os fundos liquidando parte de suas posições em acentuados movimentos de venda.

“No caso da soja, temos um movimento técnico. O mercado está testando o fundo do poço”, acredita Vlamir Brandalizze, da Brandalizze Consulting.

Além disso, o mercado ainda recebeu as informações de que os futuros do petróleo bateram, nesta quarta-feira, suas mínimas em seis anos devido ao aumento dos estoques norte-americanos, e de que a China injetou US$ 17,18 bilhões no sistema financeiro do país.

Assim, no Brasil, os preços também recuaram. Entretanto, a alta do dólar nesta quarta, apesar de tímida, ajudou a amenizar as baixas. Em Paranaguá, a soja disponível fechou o dia com R$ 77,50 por saca e a da safra nova em R$ 76,00. No terminal de Rio Grande, R$ 76,90 para o produto disponível e R$ 76,70 para o futuro.

Fonte: Notícias Agrícolas

← Kátia Abreu e ministro da Alemanha alinham posição sobre acordo de livre comércio Mapa pede ao setor de vinhos estudo de mercado →

Veja quem comentou

Deixe seu comentário aqui