Soja: Mercado volta a subir em Chicago nesta 2ª feira

Soja: Mercado volta a subir em Chicago nesta 2ª feira

Recorde na soja terá resultado positivo para cooperativas gaúchasOs futuros da soja negociados na Bolsa de Chicago operam em alta na tarde desta segunda-feira (8). Por volta de 12h30 (horário de Brasília), os principais vencimentos subiam entre 6,75 e 8 pontos, com o julho/15 cotado a US$ 9,45 e o novembro a US$ 9,21 por bushel.

A semana é de posicionamento dos traders antes da chegada de números importantes do USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos), como o boletim de acompanhamento de safras hoje às 17h, após o fechamento do pregão, e o relatório mensal de oferta e demanda que será reportado nesta quarta-feira, 10 de junho.

Além disso, foco sobre o desenvolvimento da nova safra dos Estados Unidos e o comportamento do clima no país. O excesso de chuvas em algumas regiões segue preocupando e podendo atrasar a conclusão do plantio da soja no Meio-Oeste americano.

De acordo com informações da Somar Meteorologia, durante toda essa semana todas as regiões produtoras de grãos dos EUA ainda receberão precipitações de fraca a moderada intensidade e a expectativa, por enquanto, ainda é de que os danos sejam mínimos. “Mas vale ressaltar que esse verão norte-americano será marcado por chuvas acima da média”, informou o relatório diário da Somar desta segunda-feira.

Ainda no radar dos investidores está também o comportamento do dólar. Em baixa nesta sessão frente ao real e demais moedas internacionais, a divisa mais fraca contribui para um avanço das cotações das commodities negociadas nas bolsas norte-americanas. No entanto, os ganhos para a soja eram neutralizados na hora da formação dos preços no Brasil e, em relação à última sexta-feira, as cotações em Paranaguá e Rio Grande já apresentavam ligeiras baixas por volta de meio dia.

← Agronegócio tem participação recorde de 51,5% nas exportações brasileiras em maio Plano Safra 2015/2016: governo omite corte de investimentos e aumenta a oferta de crédito com juros livres - que podem chegar a 16% ao ano. →

Deixe seu comentário aqui