Soja segue fraca no interior do Brasil

Soja segue fraca no interior do Brasil

As cotações da soja tiveram na quarta-feira (17.01) mais um dia de movimentos mistos nos preços do mercado físico brasileiro, sem influência da Bolsa de Chicago (CBOT). De acordo com a T&F Consultoria Agroeconômica, em média os preços subiram 0,25% nos portos, mas desceram e 0,09% no interior.

O analista da T&F Luiz Fernando Pacheco aponta que a alta nos portos foi devida à queda nos preços dos fretes marítimos internacionais, que fez também os prêmios subirem levemente, mesmo com a queda de 0,37% no dólar. “Já o mercado interno continua apático, com preços de inalterados a mais fracos, tendo caído, na média, cerca de 0,09% nesta quarta-feira”, afirma.

“Diante da relativa abundância dos estoques finais e das boas perspectivas de produção da safra brasileira, as indústrias esmagadoras no Brasil não estão disputando matéria-prima, razão pela qual os preços não evoluem significativamente. Os preços da soja no mercado interno brasileiro já caíram 6,29% nos últimos 30 dias, o que é muito em qualquer lugar do mundo”, alerta Pacheco.

FUNDAMENTOS

De acordo com previsões atualizadas divulgadas pela Consultoria AgResource, o padrão para os próximos cinco dias é confirmado: “Com chuvas intensas sobre uma faixa que corta o norte da região Sul do Brasil e toda a área Norte da Argentina. A região Amazônica também se mantém molhada pelo mesmo período.

No Centro e Nordeste do Brasil, um período de estiagem é previsto até o dia 23 de janeiro. Uma massa de ar quente de alta pressão se estaciona sobre a região, oferecendo temperaturas acima da média e chuvas escassas para o período”.

“No entanto, esta massa de ar perde forças na última semana do mês, dando espaço para a volta das precipitações intensas sobre quase todo o país. A região do MATOPIBA deverá observar chuvas chegando somente nos últimos dias de janeiro. No entanto, ainda não há nenhuma grande preocupação sendo formada para a safra no Brasil”, conclui a ARC.

Por: AGROLINK –Leonardo Gottems

Mercado volta a romper a resistência dos 10 e opera com 4,25 cents/bushel →

Deixe seu comentário aqui