Soja: Trajetória de alta em Chicago continua nesta 3ª feira e preços passam de US$ 10,50

Soja: Trajetória de alta em Chicago continua nesta 3ª feira e preços passam de US$ 10,50

soja_03_05Por Carla Mendes. A trajetória de alta dos preços da soja continua na Bolsa de Chicago. Na manhã desta terça-feira (3), os futuros da oleaginosa subiam entre 9,25 e 10,50 pontos nas posições mais negociadas, levando o julho/16 e o agosto/16 a US$ 10,53, por volta das 7h40 (horário de Brasília).

O mercado internacional ainda conta com fundamentos positivos e os fundos de investimentos que seguem atuando com itensidade entre as commodities agrícolas. Na sessão de ontem, o farelo de soja, também com uma contribuição dos fundos, chegou a subir mais de 3% em Chicago e ajudou a puxar as cotações do grão.

Entre os fundamentos, os traders seguem avaliando as perdas na América do Sul, as quais ainda não foram completamente contabilizadas, e as condições de clima em que irá se concluir.

Na Argentina, o padrão atual se mostra mais favorável, de acordo com as últimas previsões, com chuvas mais restritas e temperaturas mais alta que poderiam favorecer a colheira. Ainda assim, a quebra está consolidada em muitas partes do país e continua, portanto, no radar dos negócios. No Brasil, as chuvas voltaram à algumas regiões produtoras que as necessitavam, porém, de forma limitada e insuficiente para a recuperação das lavouras.

Nos Estados Unidos, atenção ao início da nova safra. O momento é de chuvas excessivas no Meio-Oeste americano, principal região produtora, porém, os próximos dias deverão ser de tempo mais seco, o que poderia acelerar o ritmo dos trabalhos de campo. O USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) reportou, nesta segunda-feira (2), um avanço no plantio da soja de 3% para 8% em uma semana. O número ficou abaixo dos 10% de 2015, nessa mesma época, mas acima dos 6% da média dos últimos cinco anos.

Do lado financeiro, nesta terça-feira, os investidores seguem sinalizando um maior apetite ao risco, levando as ações chinesas, por exemplo, ao maior ganho em cinco meses. O iene, a moeda local, bateu em sue maior patamar em 18 meses. Ao lado dessa informação, há ainda o dólar – e também o dólar index – em desvalorização, promovendo uma alta generalizada das commodities.

Fonte: Notícias Agrícolas

← Mosaic realiza pesquisa sobre alto rendimento na cultura da cana-de-açúcar Soja: Maio começa com preços estáveis e movimentação tímida em Chicago nesta 2ª feira →

Deixe seu comentário aqui