Sombra na ILPF não aumenta incidência de verminoses em gado de corte | Agrocampo | Notícias do campo, agricultura, agronegócio, tecnologias, cadeias produtivas, produção agrícola e o fortalecimento do setor no mercado

Sombra na ILPF não aumenta incidência de verminoses em gado de corte

Sombra na ILPF não aumenta incidência de verminoses em gado de corte

A incidência de verminoses em gado de corte em sistema silvipastoril (pecuária-floresta) não é maior do que na pecuária exclusiva. A conclusão é de uma pesquisa que acaba de ser encerrada na Embrapa Agrossilvipastoril, em Sinop (MT). A informação contraria a hipótese inicial de que as condições microclimáticas no sistema silvipastoril poderiam favorecer a ocorrência de vermes.

Esse resultado mostra que, nos sistemas de pecuária integrada com árvores, o controle de verminoses não precisa ser diferente em relação à pecuária tradicional. O número de dosagens de vermífugos deve ser o mesmo em ambos os sistemas de produção.

Financiada pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Mato Grosso (Fapemat), a pesquisa avaliou durante dois anos a quantidade de ovos de helmintos por grama de fezes em animais da raça Nelore, com peso inicial de 250 kg. Também foram monitoradas a quantidade e a diversidade de espécies de insetos coleópteros nos sistemas, como os besouros rola-bosta. Esses animais atuam na decomposição do bolo fecal.

Como os vermes utilizam as fezes frescas na fase de vida livre, a atuação dos coleópteros e o tempo necessário à degradação do bolo fecal estão diretamente relacionados à incidência de verminoses no rebanho, proporcionando um controle natural.

De acordo com o pesquisador Luciano Lopes, quando comparados os dois sistemas, não houve diferença nem na quantidade de ovos de helmintos presentes nas fezes, nem na quantidade e diversidade de coleópteros e nem mesmo no tempo de decomposição do bolo fecal. A comparação entre o rendimento do gado em ganho de peso também não indicou qualquer variação causada pelas verminoses.

“Nos respaldamos na literatura para explicar o que pode ter acontecido. Uma das razões que considero pertinentes é que como no sistema solteiro nós trabalhamos bem e com alta performance, e alta lotação, encontrei nesse monocultivo uma disponibilidade de alimento muito grande para esses besouros. Talvez esse seja um fator fundamental. Se eu tivesse comparado com uma pastagem com menor capacidade de suporte, talvez encontrasse diferença. Como tenho um número maior de placas fecais e consequentemente maior disponibilidade de alimentos, isso pode ter feito a diferença”, avalia o pesquisador da Embrapa Luciano Lopes.

Considerado positivo para o sistema ILPF, o resultado contraria a hipótese inicial de que o sombreamento aumentaria a incidência de verminoses. Tal suposição veio de outro resultado de pesquisa desenvolvida na Embrapa Agrossilvipastoril, em que numa área de ILPF com pecuária leiteira, verificou-se que a sombra contribuiu para maior contaminação das pastagens por larvas de parasitas.

“Como tenho uma condição microclimática melhor no silvipastoril, ela é boa para o animal, porém é também favorável para a fase de vida livre desse parasita. Com a área sombreada, é possível aumentar a contaminação das pastagens”, ressalta o pesquisador.

Porém, mesmo com o aumento do risco de contaminação na sombra, os resultados na pesquisa com a pecuária de corte não apontaram diferença.

“Apesar de a contaminação poder ser maior, o animal não parece ser afetado pelo problema. Isso pode ser explicado pela resposta imunológica. O que nos leva a acreditar que o animal nessas condições microclimáticas é capaz de reagir melhor do ponto de vista de resposta imune do que o animal a pleno sol, sem nenhum tipo de sombreamento. A avaliação do sistema imunológico e dos indicadores do sistema imune será a última etapa do processo, para fechar o ciclo,” explica Lopes apontando os próximos passos da pesquisa.

De acordo com o cientista da Embrapa, o resultado obtido com gado nelore poderia ser diferente caso fosse feito com raças leiteiras, uma vez que os animais de leite são mais sensíveis aos parasitas que os de corte.

Gabriel Faria (MTb 15.624/MG)

← Pecuarista: Como atestar a qualidade da forrageira? Pecuária: autoconhecimento e desafios →

Deixe seu comentário aqui