Como prevenir o inevitável

Como prevenir o inevitável

sucessao familiarUm dos temas mais delicados, e que precisa ser tratado com muita atenção, na empresa rural familiar é a sucessão.

Muitos empresários rurais ficam satisfeitos e orgulhosos quando seus filhos, ainda jovens despertam o interesse em participar das decisões e dos negócios da empresa. Outros ainda, sem saber se os filhos tem interesse ou vocação para o negócio, colocam-os a trabalhar na empresa desde cedo, para “dar valor ao negócio” ou então “para saber de onde sai o dinheiro”. Nos dois casos os filhos após dedicarem alguns anos ao negócio da família acabam tomando gosto pela atividade ou porque perderam o “bonde” de outras atividades e acabam ficando.

Os filhos, ainda que tenham trabalhado junto com os pais por longos anos, continuaram sob a dependência financeira e de autoridade dos seus pais, mesmo que já tenham constituído suas novas famílias. A dependência e a submissão ao gestor é pior ainda quando os genros integram o staff administrativo.

Quando ocorre o “inesperado”, mas que todos devem esperar naturalmente, que é o falecimento do patriarca, e não houve até então a sucessão de fato, os sucessores ou os herdeiros promovem a partilha dos bens e consequentemente a partilha do negócio. E cada um dá início a um novo negócio (já partilhado e fracionado) e ainda querem manter o padrão vivido anteriormente. É óbvio que vai haver problemas.

A continuidade do negócio

Os bens podem e devem ser partilhados, entretanto, o negócio deve ser mantido na sua unicidade e integridade original. Desta forma, o negócio poderá manter-se sólido, com ganhos de escala de produção, racionalização de custos e de equipamentos. Contudo, não há necessidade de que ocorra o que ninguém quer – a falta do patriarca – para dar-se início a um processo sucessório na empresa rural familiar. Para tanto, é preciso que o gestor identifique na família quem tem o melhor perfil para a gestão, ou até mesmo implantar um conselho de gestão com a sua participação. É vital que se defina o pró-labore para àqueles que exercerem ou exercerão atividades na empresa. E a participação dos demais será apenas nos resultados da empresa, proporcional ao seu quinhão de capital. Aliás, a participação nos resultados será de todos.

Desta forma teremos um modelo de sociedade semelhante às de quotas por responsabilidade limitada e/ou de ações. Para garantir o sucesso deste modelo os novos gestores devem manter um sistema de registros financeiros ou contábil claro e transparente no qual possam evidenciar as demonstrações dos resultados, que podem ser anuais ou por safras, conforme for o tipo de negócio e os sócios decidirem em conjunto a destinação dos lucros obtidos. É bom lembrar que das sobras, sempre deve ficar no caixa da empresa uma parte dos lucros para garantir a saúde financeira do empreendimento.

Rogério de Melo BastosEconomista Sócio-Diretor da R & S Training Rural Ltda. Consultoria à produtores e empresas rurais nas seguintes áreas: Gestão Financeira, Sistemas de Gestão da Qualidade, Planejamento Estratégico, Custos de Produção e Consultor externo do Sebrae/RS

← Trigo/Cepea: preços reagem no Brasil; clima chuvoso preocupa Chuvas no Sul prejudicam controle de pragas →

Deixe seu comentário aqui