Trigo: Lucratividade da lavoura está atrelada à escolha correta da cultivar | Agrocampo | Notícias do campo, agricultura, agronegócio, tecnologias, cadeias produtivas, produção agrícola e o fortalecimento do setor no mercado

Trigo: Lucratividade da lavoura está atrelada à escolha correta da cultivar

Trigo: Lucratividade da lavoura está atrelada à escolha correta da cultivar

STE_0624Acertar na escolha da cultivar de trigo pode representar mais lucro para o produtor. Este foi o recado transmitido pela pesquisadora da Fundação Pró-Sementes, Kassiana Kehl, coordenadora da unidade de cultivos de inverno da entidade, que realiza desde 2008 Ensaios de Cultivares em Rede de trigo (ECR). Trata-se de uma pesquisa cujo principal objetivo é fornecer informações idôneas para nortear a tomada de decisão na adoção de cultivares ideias em diferentes regiões produtoras.

Os resultados dos Ensaios de Cultivares em Rede (ECR) de trigo da safra 2014/2014 foram apresentados em Passo Fundo (RS) no dia 10 de fevereiro de 2015. O evento aconteceu no Refúgio Centro de Eventos e reuniu um público de aproximadamente 70 pessoas, entre produtores de sementes, obtentores, agricultores, imprensa e autoridades.

Na última safra de inverno, o ECR foi instalado em 19 locais do Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná, São Paulo e Mato Grosso do Sul. A crescente demanda por pesquisas de cultivares de trigo no centro-oeste brasileiro impulsionou a ampliação dos experimentos, que nesta última safra foram realizados pela primeira vez na cidade de Dourados (MS).

Os experimentos, conduzidos de maneira uniforme em todos os locais selecionados, oferecem ao produtor rural e à assistência técnica informações idôneas das principais cultivares indicadas e comercializadas em cada região, a partir de dados como rendimento em kg/ha e em sacos/ha, além de pH e percentual de rendimento de cada cultivar sobre a média da região.

Em toda a rede experimental, foram avaliados 61 materiais, de 8 empresas obtentoras. Destes, 9 materiais são lançamentos. No total, foram conduzidas aproximadamente 3.000 parcelas.

Apenas no RS, onde a pesquisa conta com o apoio do Sistema Farsul, foi possível testar 40 cultivares de 6 diferentes obtentores em 1.542 parcelas posicionadas em 7 locais. No Estado, os experimentos puderam ser conduzidos em duas épocas de semeadura. Exceto no município de São Gabriel. “Nesta cidade, o excesso de chuva não permitiu a semeadura da segunda época no local, já que os ensaios são implantados respeitando a data limite determinada pelo Zoneamento Agrícola do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento”, informou Kassiana Kehl.

A pesquisadora mostrou a amplitude entre os resultados obtidos pelas cultivares mais e menos produtivas em um experimento. Em Santo Augusto (RS), por exemplo, entre os materiais de ciclo precoce, esta diferença chega a 1.548 kg/ha. Já entre as de ciclo médio e tardio, a amplitude é ainda maior: 2.021 kg/ha. Esta desconformidade o agricultor sente, diretamente, no bolso. Considerando o preço médio de R$ 26,00 a saca de 60 kg do cereal, o produtor que optar por uma cultivar mais produtiva na região de Santo Augusto pode lucrar aproximadamente R$ 670,00 a mais por hectare.

“Este é o objetivo do ECR: levar informações que permitam ao agricultor escolher o melhor material para semear na sua lavoura”, concluiu Kassiana Kehl. A pesquisadora orienta, ainda, que o produtor busque o histórico da cultivar em anos anteriores no site www.cultivares.com.br, a fim de avaliar a estabilidade do material ao longo das safras.

O evento foi encerrado com a palestra “Perspectivas para o mercado de trigo e as razões estruturais que impedem um melhor desempenho do setor”, proferida pelo Economista-Chefe do Sistema Farsul, Antônio da Luz. Ele destacou os custos da produção do cereal e também a relação entre a demanda de consumo e a produção gaúcha.

Sobre os Ensaios de Cultivares em Rede

Desde 2008, a Fundação Pró-Sementes realiza ensaios com as cultivares de trigo e soja registradas no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento e indicadas pelo Zoneamento Agrícola de risco climático. Os experimentos são realizados em locais definidos, respeitando diferenças climáticas e de altitude.

Comunicação Fundação Pró-Sementes
Créditos das fotos: Stéfanie Telles.

← Preços do milho se sustentam acima dos R$30,00/sc nos portos com dólar forte, mas ritmo de comercialização antecipada ainda é pequeno

Deixe seu comentário aqui